Publicado em 22/09/2022

CNPEM deve receber metade das aprovadas em SP no projeto Futuras Cientistas

Projeto premiado pelo incentivo na inserção de meninas e professoras nas Ciências tem inscrições abertas e vai ter alcance nacional em 2023

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) disponibiliza 30 vagas para meninas estudantes do ensino médio e professoras da rede pública de ensino no programa “Futuras Cientistas”. As inscrições podem ser feitas pelo site https://www.gov.br/cetene/pt-br até o dia 10 de outubro e as atividades nos laboratórios de pesquisa serão desenvolvidas entre os dias 3 e 31 de janeiro, período de férias escolares.

Para subsidiar a participação, as selecionadas recebem um auxílio de R$ 483 e um kit contendo todos os materiais necessários para a realização dos experimentos dos planos de trabalho.

O programa, criado há 10 anos em Pernambuco, pelo Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene), organização também vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) foi ampliado para todas as unidades da federação.

Na edição 2023 serão oferecidas 470 vagas em todo Brasil, sendo 59 para o estado de São Paulo. Das vagas disponíveis, 160 serão destinadas a alunas matriculadas em escolas regulares, 160 destinadas a estudantes de tempo integral, semi-integral ou do ensino técnico. As docentes contarão com 150 vagas e, no escopo geral, 10% das vagas são destinadas preferencialmente a pessoas com deficiência.

No CNPEM

O CNPEM se prepara para receber 20 alunas e 10 professoras aprovadas pelo programa, que terão a oportunidade de acompanhar a rotina de cientistas nos que atuam nos Laboratórios Nacionais de Nanotecnologia, Biociências, Biorrenováveis e Luz Síncrotron, bem como na Ilum, Escola de Ciência.
Os planos de trabalho selecionados pelo projeto no CNPEM são:

  • Matemática aplicada e computacional na análise de dados de espectroscopia de infravermelho;
  • Entendendo como os materiais funcionam: Ensaio de tração uniaxial para determinação de propriedades mecânicas de liga metálica e análise microestrutural;
  • O Futuro é Invisível!;
  • Nanofibras de bagaço de cana-de açúcar para descontaminação de efluentes;
  • O que o nada é capaz de fazer: estudando o vácuo e suas aplicações em projetos de engenharia e experimentos científicos;
  • Síntese e atividade antimicrobiana de nanopartículas de prata;
  • O desafio do balanço de massa no processo de etanol celulósico;
  • Síntese de (nano)partículas magnéticas de baixo custo e sua interação na germinação de soja;
  • Utilização, organização de manutenção de ambientes de pesquisa em nível de biossegurança 2;
  • Biotecnologia aplicada à descoberta de medicamentos Atuação e reconhecimento.

Em 2022, o “Futuras Cientistas” foi o vencedor do Prêmio Movimento LED na categoria Educação Não-formal, realizado pela Rede Globo e a Fundação Roberto Marinho é voltado a iniciativas de inovação na educação brasileira.

A cientista Dra. Giovanna Machado, diretora do Cetene e criadora do Programa, destaca a importância social do projeto. “O Futuras Cientistas mostrou que é possível, sim, contribuir com a inserção de meninas e mulheres nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. ‘STEM’, como dizemos em inglês. Embora sejamos, nós, mulheres, maioria nessas áreas, continuamos muito aquém das oportunidades e dos cargos de liderança, somos uma sub-representação. Nosso objetivo é transformar essa realidade, é nossa responsabilidade”, declara a especialista em Nanotecnologia.

Módulo “Banca de Estudos”

Outro módulo importante para a missão do programa é a “Banca de Estudos”, destinado a alunas em fase final. “A banca é uma espécie de cursinho popular, um preparatório para o vestibular. Nós recrutamos pós-graduados e acadêmicos em outras modalidades de ensino para dividirem seu conhecimento com as inscritas, que ainda recebem uma bolsa para minimizar os desafios de manutenção nas aulas”, explica Luísa Almeida, voluntária do Futuras Cientistas. Estimados 70% das meninas que passaram pela experiência, foram aprovadas em vestibulares. Sendo que, destas, 80% ingressaram nas áreas de STEM.

Sobre o CNPEM

Ambiente sofisticado e efervescente de pesquisa e desenvolvimento, único no Brasil e presente em poucos centros científicos do mundo, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização privada sem fins lucrativos, sob a supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). O Centro opera quatro Laboratórios Nacionais e é o berço do projeto mais complexo da ciência brasileira – Sirius – uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo. O CNPEM reúne equipes multitemáticas altamente especializadas, infraestruturas laboratoriais globalmente competitivas e abertas à comunidade científica, linhas estratégicas de investigação, projetos inovadores em parceria com o setor produtivo e formação de investigadores e estudantes.

O Centro é um ambiente impulsionado pela pesquisa de soluções com impacto nas áreas de Saúde, Energia e Materiais Renováveis, Agroambiental, Tecnologias Quânticas. Por meio da plataforma CNPEM 360 é possível explorar, de forma virtual e imersiva, ambientes de todos os laboratórios instalados em Campinas (SP) e também obter informações sobre trabalhos realizados e recursos disponibilizados para a comunidade científica e empresas.

A partir de 2022, com o apoio do Ministério da Educação (MEC), o CNPEM expandiu suas atividades com a abertura da Ilum Escola de Ciência. O curso superior interdisciplinar em Ciência, Tecnologia e Inovação adota propostas inovadoras com o objetivo de oferecer formação de excelência, gratuita, em período integral e com imersão no ambiente de pesquisa do CNPEM.