Sem verba, universidades e centros de pesquisa podem ficar sem internet

G1 em 21 de Agosto

Entidade que faz conexões tem recursos para manter serviço até setembro.
Ministérios que bancam os custos dizem que o repasse será feito ‘em breve’.

Screen Shot 2016-08-17 at 18.22.34

Embrapa, Fiocruz, universidades federais, estaduais, centros de pesquisa, laboratórios e todo o sistema de ciência tecnologia e inovação do Brasil  podem ter suas conexões de internet interrompidas em setembro. Isso porque a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) não recebeu do Governo Federal nenhum centavo dos R$ 136 milhões previstos em seu orçamento deste ano e não há mais dinheiro em caixa para manter toda essa estrutura. Localizada na Unicamp, em Campinas (SP), a RNP é responsável por fornecer internet de alta velocidade a 739 instituições de ensino e centros de pesquisas.

No curto prazo é preciso liberar recursos para que o serviço não seja suspenso. Temos condições de operar com qualidade até setembro”
Nelson Simões, diretor-geral da RNP

Se as conexões forem mesmo interrompidas a partir de setembro, centenas pesquisas podem vir a ser prejudicadas, incluindo o trabalho desenvolvido na Agência Espacial Brasileira, na Academia da Força Aérea e até mesmo em hospitais como o Albert Einstein e o Instituto do Coração de São Paulo.

A RNP é uma Organização Social (OS) vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e mantida em conjunto pelos ministérios da Educação, Cultura, Saúde e Defesa.  Sem receber a verba deste ano, a instituição só conseguiu manter toda a estrutura de redes das universidades até agora por ter feito uma verdadeira ginástica financeira com as sobras do orçamento de 2015.

De acordo com Nelson Simões, diretor-geral da organização, o orçamento da RNP diminuiu drasticamente no úlltimo ano e o dinheiro, que já era insuficiente, uma vez que o custo para a manutenção das atividades é de cerca de R$ 250 milhões, passou a R$ 136 milhões.

Laboratório Nacional de Luz Síncroton em Campinas (Foto: Roberta Steganha/ G1)
Laboratório Nacional de Luz Síncroton
em Campinas (Foto: Roberta Steganha/ G1)

Pesquisas em risco
Sem esses recursos, pesquisas em  áreas da biodiversidade, genoma humano, células-tronco, física de altas energias, telessaúde e o acesso a equipamentos sofisticados compartilhados por  projetos científicos internacionais, como o gerador de luz síncrotron que funciona no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), o supercomputador Santos Dumont do Laboratório Nacional de Computação Científica, os telescópios para pesquisa de energia escura do projeto DES (Dark Energy Survey), no Chile, e as pesquisas CERN, maior laboratório de Física de Partículas do mundo, na Suíça, podem ser comprometidas.

“Ano passado a redução de recursos foi da ordem de 40%, mas foi possível manter as operações, ainda que paralisássemos a ampliação da rede. Este ano, a redução de recursos chegou a praticamente 50% e a RNP sinalizou para os ministérios de que é preciso tomar medidas. No curto prazo é preciso liberar recursos para que o serviço não seja suspenso. Temos condições de operar com qualidade até setembro”, explica Nelson.

Otimista, ele acredita que receberá os recursos necessários nos próximos 20 dias. “A RNP não trabalha com a possibilidade de suspensão a curto prazo. O MEC sinalizou que já começou a fazer o pagamento e o MCTIC prometeu que vai liberar o resto de recursos do ano passado”, conta.

Dessa  rede  dependem  atividades  essenciais  para  o  avanço  da  ciência  e tecnologia  nacionais,  tais  como  o  acesso  e  a  operação  compartilhada  de  grandes bancos  de  dados  científicos,  laboratórios  e  experimentos”
Lisandro Zambenedetti Granvil, presidente da SBC

Em uma carta, a Sociedade Brasileira de Computação (SBC) manifestou publicamente esta semana sua preocupação com a possibilidade de um importante patrimônio nacional, resultado de grande esforço da comunidade acadêmica brasileira, ser gravemente impactado.

“Os serviços disponibilizados  pela  RNP  para  mais  de  1.300  pontos  de  instituições  federais  de ensino superior e pesquisa em todo o país, representam uma economia significativa de recursos  públicos  em  função  da  escala  da  operação  da  RNP  e  das  tecnologias inovadoras  utilizadas. Dessa  rede  dependem  atividades  essenciais  para  o  avanço  da  ciência  e tecnologia  nacionais,  tais  como  o  acesso  e  a  operação  compartilhada  de  grandes bancos  de  dados  científicos,  laboratórios  e  experimentos”, diz trecho da carta assinada pelo presidente da instituição, Lisandro Zambenedetti Granvil.

RNP pode cortar conexão em todo o Brasil (Foto: Divulgação/Marcelo Dischinger)
RNP pode cortar conexão em todo o Brasil
(Foto: Divulgação/Marcelo Dischinger)

Custo da conectividade
Do custo anual da RNP, cerca de 51% é gasto com conectividade. A organização fornece internet de alta velocidade via fibra óptica de 1 gigabyte por segundo (Gbps), 10 vezes a velocidade máxima do 4G, e há casos em que a velocidade é superior e chega a 40 Gbps, como acontece no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS).

E os custos para manter a rede funcionando no interior do país são ainda mais altos. Segundo Nelson Simões há 40 universidades que recebem conectividade via satélite, como é o caso da Estadual do Amazonas.

“Temos a expectativa de que o orçamento para o ano que vem seja recomposto. Além dos R$ 136 milhões desse ano, precisamos de R$ 250 milhões no ano que vem. Estamos operando com orçamento pela metade e passamos pelo fim de um ciclo de expansão da rede. Há cerca de 200 instituições a serem conectadas e temos de manter as 40 que conectam via satélite. Desde 2015 a RNP parou de crescer e nosso esforço hoje é para manter a qualidade”, conta Nelson.

Telemedicina
Além das pesquisas universitárias, a rede de fibras ópticas da RNP é de grande importância para a saúde. É pela Rede Universitária de Telemedicina (Rute) que 120 unidades de telemedicina operam em todos os estados do Brasil. A rede integra e conecta todos os hospitais públicos universitários, apoia a realização de videoconferências, análise de diagnósticos e web conferência entre hospitais universitários e universidades, além de permitir a integração com secretarias estaduais e municipais de saúde, unidades básicas de saúde e hospitais do interior.

“Os hospitais utilizam a rede para transmitir aulas e procedimentos médicos. É uma espécie de comunidade, onde é possível captar a imagem de centro cirúrgico em São Paulo para um local mais remoto do Brasil. O Einstein, o Instituto do Coração e vários outros centros estão conectados e diariamente fazem palestras e discussões pela rede. Estamos confiantes de que vamos resolver porque essa é uma rede que tem um impacto positivo para o Brasil”, conclui Nelson.

Recursos a caminho
Procurados pelo G1, tanto o MEC quanto o MCTIC garantiram que o pagamento está sendo feito, mas não precisaram uma data para a liberação da verba. Segundo nota do MEC, neste ano, a verba a ser destinada para a RNP é de aproximadamente R$ 100 milhões, mesmo valor repassado em 2015. “O dinheiro é pago de uma vez e está em trâmite natural de liberação”, diz a nota.

A nota do MCTIC seguiu a mesma linha e afirma que os repasses financeiros da ordem de R$ 36 milhões serão feitos ainda em 2016 e que a assinatura do Termo Aditivo ao Contrato de Gestão com a RNP está “prevista para ocorrer em breve”, o que vai permitir a manutenção dos serviços.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone