Prêmio Octavio Frias de Oliveira destaca a produção de conhecimento voltada à prevenção e ao combate ao câncer

SBOC em Agosto

Aconteceu em São Paulo a entrega da sétima edição do Prêmio Octavio Frias de Oliveira. Os vencedores, em três categorias, foram escolhidos entre mais de 50 trabalhos por uma comissão julgadora do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp), do jornal Folha de S.Paulo e por nomes da sociedade envolvidos com o tema. Veja os ganhadores:

Personalidade de Destaque
Dr. Aristides Pereira Maltez Filho

O médico Aristides Pereira Maltez Filho é presidente da Liga Bahiana Contra o Câncer (LBCC), de Salvador, a segunda entidade mais antiga do Brasil voltada ao tratamento do câncer. Idealizada por seu pai, a instituição é mantenedora do Hospital Aristides Maltez, filantrópico e sem fins lucrativos. Maltez Filho implantou no hospital centros de radioterapia e de imagem, unidades de terapia intensiva, cuidados paliativos e assistência domiciliar. O hospital em 232 leitos e atende em média 3500 pessoas por dia, exclusivamente pelo SUS. Maltez Filho também é presidente da Associação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Combate ao Câncer (Abifcc), criada por ele em 1990. 

Categoria Pesquisa em Oncologia
Proteínas da saliva para avaliar o câncer oral

Pesquisadores do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio) do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), da Faculdade de Odontologia de Piracicaba, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Icesp compararam as proteínas de amostras de saliva e de vesículas extracelulares salivares de dez pessoas saudáveis e de vinte com carcinoma oral de células escamosas (OSCC), um dos tipos mais frequentes de câncer de boca. A análise revelou diferenças significativas na composição de proteínas da saliva, permitindo uma classificação dos indivíduos saudáveis e com câncer oral com 90% de precisão. O grupo de pesquisa ainda vai avaliar amostras de saliva, sangue e tecidos de um número maior de indivíduos saudáveis e com lesões orais, ativas ou não, para confirmar a possibilidade de uso da saliva como marcador biológico complementar não invasivo na progressão de tumores de boca.

Categoria Inovação Tecnológica em Oncologia
Um antitumoral promissor

Pesquisadores do Instituto Butantan, de São Paulo, realizaram testes in vitro com o Amblyomin-X, uma proteína da glândula salivar do carrapato-estrela, e constataram que essa proteína inibiu a proliferação de 23 linhagens de células tumorais humanas, sem ação sobre células normais (fibroblastos, células endoteliais e outras), usadas como padrão de comparação. A equipe responsável pelo trabalho já iniciou a transferência da tecnologia de produção para uma empresa farmacêutica nacional. O início dos testes de segurança e eficácia da proteína em seres humanos está previsto para 2017.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone