Boticário vai usar chip que simula órgãos para testar cosméticos

Publicado em 05/07/2016
Uol Economia, 01/07/2016

Depois de começar a usar pele criada em laboratório para testar produtos, o Grupo Boticário deve iniciar ainda este ano testes de seus cosméticos com um chip que simula reações de órgãos humanos.

Segundo a empresa, a tecnologia “Organs on Chips”, vai permitir identificar possíveis reações alérgicas causadas por produtos cosméticos a partir da pele.

Os testes em laboratório estão previstos para começar ainda este ano, e os primeiros  produtos testados a partir de órgãos simulados em chip devem ser lançados em 2017, de acordo com o grupo.

A tecnologia utilizada para o desenvolvimento do chip é da empresa alemã TissUse e o desenvolvimento no Brasil será feito em parceria com o LNBio (Laboratório Nacional de Biociências).

“Essa tecnologia tem potencial para substituir com vantagens o uso de animais [em testes]”, afirma Eduardo Pagani, gerente de desenvolvimento de fármacos e cosméticos do LNBio.

Segundo o grupo, o investimento da primeira fase do projeto de testes com a nova tecnologia é de R$ 1,5 milhão. Deste total, a empresa deve contribuir com até R$ 500 mil e o restante virá da iniciativa pública, por meio do LNBio, que é ligado ao CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais).

Pele criada em laboratório

No ano passado, o Grupo Boticário começou a usar uma pele criada em laboratório para testar produtos, como cremes e maquiagens.

O material é utilizado para o teste de matérias-primas e produtos acabados, como cremes, loções e maquiagens.

Para elaborar a pele são utilizadas células isoladas a partir de tecido descartado de cirurgias plásticas. Segundo a empresa, o uso desse tecido só é feito quando há o consentimento do doador e autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Repercussão: O Estado CE; Cosmetics Online

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone