Jovem pesquisador do CNPEM representará o Brasil em competição global de bioeconomia

Publicado em 08/10/2020

Mateus Chagas foi um dos oito selecionados na chamada Bioeconomy Youth Champions, patrocinada pelo governo alemão; evento online acontecerá entre 16 e 20 de novembro

O pesquisador Mateus Chagas, 32, que integra o Laboratório Nacional de Biorrenováveis do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (LNBR/CNPEM) foi um dos oito selecionados na chamada mundial Bioeconomy Youth Champions, promovida pelo Global Bioeconomy Summit (GBS) e patrocinado pelo governo alemão. O objetivo da chamada foi reunir um grupo de lideranças ascendentes para atuarem como embaixadores da bioeconomia. Jovens com forte interesse no desenvolvimento da bioeconomia global se inscreveram, e a organização buscou formar um grupo eclético e geograficamente diverso. O GBS está em sua terceira edição e neste ano acontecerá entre 16 e 20 de novembro, de modo remoto.

O grupo escolhido pelo International Advisory Council on Global Bioeconomy (IAC) é diverso, composto por representantes estudantis, jovens pesquisadores, jornalistas, apoiadores de agências intergovernamentais, entre outros. Chagas, que é o único representante da América do Sul, reconhece que ser uma voz do mundo científico em um grupo tão heterogêneo será um desafio, mas também uma grande oportunidade para agregar novas perspectivas e aprender com as discussões.

A proposta submetida por Chagas assinalou a importância de se discutir o papel dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos em bioeconomia no enfrentamento das mudanças climáticas, destacando como os jovens devem se engajar no que é considerado um dos maiores desafios desta geração.

“Foi a primeira vez que participei de um processo parecido e não tinha expectativa de ser escolhido, já que a concorrência era global. Mas abracei a ideia e fui em frente em razão do incentivo e suporte da direção do LNBR/CNPEM”, explica Chagas, que começou sua carreira no CNPEM em 2011 e desde então tem trabalhado com avaliação de sustentabilidade e análise de ciclo de vida. O pesquisador terá a oportunidade de representar uma fatia cada vez maior de jovens lideranças do CNPEM.

A partir de agora os oito candidatos selecionados participarão de uma série de encontros para chegar a uma posição conjunta, representando a visão da juventude para a bioeconomia que será apresentada no evento em novembro.

Plataforma desenvolvida no LNBR/CNPEM fornece indicadores sobre mudanças climáticas

A plataforma conhecida como Biorrefinaria Virtual de Cana-de-açúcar (BVC) permite a obtenção de indicadores de sustentabilidade para as diversas opções tecnológicas associadas às biorrefinarias. Estes dados são obtidos por meio de modelagens e simulações de processos baseados em metodologias de avaliação que contemplam as três frentes da sustentabilidade: econômica, ambiental e social.

A BVC é capaz de simular inúmeras variáveis associadas à produção de biorrenováveis (biocombustíveis, bioprodutos e biomateriais) auxiliando na tomada de decisões, permitindo comparar diferentes rotas de produção, identificar gargalos nos sistemas produtivos e quantificar as vantagens da substituição de produtos e processos convencionais por alternativos. Conheça mais sobre a Biorrefinaria Virtual e sobre a área de atuação de Mateus Chagas aqui.

Sobre o CNPEM

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização social supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Localizado em Campinas-SP, gerencia quatro Laboratórios Nacionais – referências mundiais e abertos às comunidades científica e empresarial. O Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) está, nesse momento, finalizando a montagem do Sirius, o novo acelerador de elétrons brasileiro; o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio) atua na área de biotecnologia com foco na descoberta e desenvolvimento de novos fármacos; o Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR) pesquisa soluções biotecnológicas para o desenvolvimento sustentável de biocombustíveis avançados, bioquímicos e biomateriais, empregando a biomassa e a biodiversidade brasileira; e o Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano) realiza pesquisas científicas e desenvolvimentos tecnológicos em busca de soluções baseadas em nanotecnologia.

Os quatro Laboratórios têm, ainda, projetos próprios de pesquisa e participam da agenda transversal de investigação coordenada pelo CNPEM, que articula instalações e competências científicas em torno de temas estratégicos.

Sobre o LNBR

O Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR) integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social qualificada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). O LNBR emprega a biomassa e a biodiversidade brasileiras para resolver desafios relevantes para o País por meio de soluções biotecnológicas que promovam o desenvolvimento sustentável de biocombustíveis avançados, bioquímicos e biomateriais. O Laboratório possui diversas Instalações Abertas a Usuários, incluindo a Planta Piloto para Desenvolvimento de Processos, estrutura singular no país para escalonamento de tecnologias.