CNPEM celebra Dia Internacional da Luz com visita virtual ao Sirius

Publicado em 12/05/2022
Assessoria de Comunicação em 12/05/2022

Roteiro pelas  instalações do acelerador de partículas de última geração pode ser acompanhado em tempo real pela internet no dia 16/05

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social supervisionada pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), realiza uma visita guiada online às instalações do Sirius, o acelerador de elétrons brasileiro, como forma de celebrar o Dia Internacional da Luz, comemorado anualmente em 16 de maio. A visita virtual vai ser na segunda-feira, dia 16 de maio, a partir das 10 horas, com transmissão ao vivo no canal do YouTube do CNPEM.

Promovidas mensalmente, as visitas virtuais ao Sirius contam com roteiros planejados para diferentes perfis de público, como estudantes de ensino médio e graduação. No último ano, a edição comemorativa ao Dia Internacional da Luz foi acompanhada por 14 mil espectadores. Mais de 10 mil pessoas assistiram à transmissão ao vivo e tiveram oportunidade de enviar perguntas e compartilhar comentários.

Na data instituída pela UNESCO, pesquisadores líderes de diversas linhas de luz, como são chamadas as estações experimentais em operação no Sirius, guiarão o público por diversos pontos do acelerador. Os guias trarão exemplos de técnicas e recursos utilizados para desvendar a estrutura dos mais diversos materiais, ferramentas que estão entre as mais avançadas da ciência e disponíveis atualmente em poucos lugares do mundo. O Sirius é um projeto idealizado e construído por brasileiros em parceria com a indústria nacional, para tornar possível pesquisas em inúmeros campos do conhecimento, como saúde, meio ambiente, agropecuária, energia, materiais avançados e muitos outros. 

16 de maio: Dia Internacional da Luz

O Dia Internacional da Luz é uma celebração proclamada pela UNESCO, agência da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Oficialmente, o dia 16 de Maio foi escolhido por ser a data em que ocorreu a primeira emissão de LASER, na década de 1960. Em todo o mundo são programados eventos e outras ações para divulgar os impactos do conhecimento das propriedades da luz, que contribuem para o avanço científico e tecnológico e para a melhoria das condições da vida em sociedade.

As celebrações abrangem os usos da luz na Arte, Cultura, Educação e, principalmente, na Ciência. Tecnologias que impactam, por exemplo, a obtenção de energia, a descontaminação da água, a descoberta de novos medicamentos e até o desenvolvimento de dispositivos que conectam pessoas ao redor do mundo.

Sobre o Sirius

Projetado e construído por brasileiros e financiado pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), o Sirius é uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo. Este grande equipamento científico possui em seu núcleo um acelerador de elétrons de última geração, que gera um tipo de luz capaz de revelar a microestrutura de materiais orgânicos e inorgânicos. Essas análises são realizadas em estações de pesquisa, chamadas linhas de luz. O Sirius comporta diversas linhas de luz, otimizadas para experimentos diversos, e que funcionam de forma independente entre si, permitindo que diversos grupos de pesquisadores trabalhem simultaneamente, em diferentes pesquisas nas mais diversas áreas, como saúde, energia, novos materiais, meio ambiente, dentre outras.

As diferentes técnicas experimentais disponíveis nas linhas de luz do Sirius permitem observar aspectos microscópicos dos materiais, como os átomos e moléculas que os constituem, seus estados químicos e sua organização espacial, além de acompanhar a evolução no tempo de processos físicos, químicos e biológicos que ocorrem em frações de segundo. Em uma linha de luz é possível acompanhar também como essas características microscópicas são alteradas quando o material é submetido a diversas condições, como temperaturas elevadas, tensão mecânica, pressão, campos elétricos ou magnéticos, ambientes corrosivos, entre outras. Essa capacidade é uma das principais vantagens das fontes de luz síncrotron, quando comparadas a outras técnicas experimentais de alta resolução.

As linhas de luz do Sirius são instrumentos científicos avançados, projetados para solucionar problemas em áreas estratégicas para o desenvolvimento do País. Seis linhas de luz já foram abertas para a comunidade científica e tecnológica, dentre um conjunto de 14 linhas inicialmente planejadas para cobrir uma grande variedade de programas científicos. Ao todo, Sirius poderá abrigar até 38 linhas de luz.

 

Serviço

Visita virtual ao Sirius – Dia Internacional da Luz

Dia: 16/05
Horário:  10 h
Canal Youtube do CNPEM: https://www.youtube.com/user/cnpem
Link da transmissão: https://youtu.be/kRI-3NzapXw 

 

Sobre o CNPEM

Ambiente sofisticado e efervescente de pesquisa e desenvolvimento, único no Brasil e presente em poucos centros científicos do mundo, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização privada sem fins lucrativos, sob a supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). O Centro opera quatro Laboratórios Nacionais e é o berço do projeto mais complexo da ciência brasileira – Sirius – uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo. O CNPEM reúne equipes multitemáticas altamente especializadas, infraestruturas laboratoriais globalmente competitivas e abertas à comunidade científica, linhas estratégicas de investigação, projetos inovadores em parceria com o setor produtivo e formação de investigadores e estudantes. O Centro é um ambiente impulsionado pela pesquisa de soluções com impacto nas áreas de Saúde, Energia e Materiais Renováveis, Agroambiental, Tecnologias Quânticas. A partir de 2022, com o apoio do Ministério da Educação (MEC), o CNPEM expandiu suas atividades com a abertura da Ilum Escola de Ciência. O curso superior interdisciplinar em Ciência, Tecnologia e Inovação adota propostas inovadoras com o objetivo de oferecer formação de excelência, gratuita, em período integral e com imersão no ambiente de pesquisa do CNPEM.