Bolsista do CNPEM é premiada no Congresso #LatinXChem

Publicado em 17/09/2020

(A) Fotos dos cristais de Cpz8 (luz visível e fluorescência) obtidos em experimentos realizados no Robolab.
(B) Estrutura cristalográfica da enzima Cpz8. Cristais foram difratados na linha MX-2 (LNLS).

Pesquisa da bolsista de doutorado do CNPEM, Bruna Domingues, orientada por Daniela Trivella e financiada pelo CNPq, foi premiada na categoria Química Biológica no congresso virtual de química @LatinXChem, que aconteceu via Twitter no último dia sete de setembro de 2020.
O trabalho da estudante do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) produziu cristais da enzima Cpz8, uma sulfotransferase da via biossintética da Caprazamicina, um antibiótico com potencial antituberculoso. Em seguida analisou a interação com seu substrato através de testes bioquímicos e biofísicos. Os resultados obtidos corroboram e complementam as hipóteses levantadas pela observação da estrutura cristalográfica da enzima, viabilizando a melhor compreensão dos mecanismos de reconhecimento de substratos e da catálise da Cpz8.

A sulfatação de biomoléculas é um processo importante dentre muitas coisas, na transformação de produtos naturais. As sulfotransferases (enzimas que fazem a sulfatação) são muito importantes e amplamente estudadas em mamíferos, no entanto ainda há pouco conhecimento de seu funcionamento em bactérias.

“O estudo de enzimas biossintéticas com mecanismos catalíticos contribui para as áreas de evolução de proteínas e biocatálise. A avaliação bioquímica e estrutural de enzimas é importante para a elucidação de novos mecanismos catalíticos, contribuindo para viabilizar ainda mais estratégias mistas (síntese química com aplicação de enzimas biossintéticas) na (bio)síntese de produtos naturais em programas de drug discovery” , explica Bruna.

Essa foi a primeira edição do fórum #LatinXChem, uma iniciativa inovadora em que posters enviados por pesquisadores do mundo todo e submetidos à onze categorias foram compartilhados e discutidos via Twitter. A iniciativa bateu recordes de visualização no Twitter e mostrou ter uma estrutura promissora dentre as novas alternativas de interação e apresentação de trabalhos acadêmicos diante da impossibilidade de encontros presenciais durante a pandemia de COVID19. “Participar do LatinXChem foi uma experiência inovadora que nos permitiu conhecer um pouco mais da nossa comunidade química da América Latina neste momento em que não podemos nos reunir pessoalmente”, finaliza a estudante.