1ª colocada em curso de ciência em centro nacional que abriga Sirius relata inspiração do pai e sonho de trabalhar com pesquisa: ‘perfeito’

Publicado em 28/03/2022

Isabela Bento Beneti foi duas vezes medalhista de ouro na Olimpíada Nacional de Ciências — Foto: Adriana Villar/CNPEM

Isabela Bento Beneti foi duas vezes medalhista de ouro na Olimpíada Nacional de Ciências — Foto: Adriana Villar/CNPEM

O sorriso por trás da máscara, em meio aos equipamentos eletrônicos interligados, celebra uma conexão que percorre conhecimento, celebração e sonho. A estudante Isabela Bento Beneti, de 18 anos, foi a primeira colocada geral entre os 40 classificados para a primeira turma do curso de graduação em ciência, tecnologia e inovação da Ilum, iniciativa do Centro Nacional de Pesquisa em Energias e Materiais (CNPEM), onde foi desenvolvido o Sirius, superlaboratório de luz síncrotron.

Ao g1, ela relatou inspiração do pai e foco em trabalhar como pesquisadora.

“Sempre gostei da questão da interdisciplinaridade, tanto que prestei engenharia química na Unicamp e [engenharia] agronômica na USP. São cursos bem diferentes, mas nos dois eu visava justamente a interdisciplinaridade e área de pesquisa. Então quando eu soube da proposta da Ilum, que ficava justamente nesses dois setores, na interdisciplinaridade e na pesquisa, eu vi que ele era perfeito pra mim, por isso ficou como a primeira opção”, contou a jovem sobre a escolha profissional.

Segundo a assessoria da escola Ilum, a lista dos classificados reúne 22 mulheres, das quais nove estão entre as dez primeiras colocações. Isabela é de Presidente Prudente (SP) e contou que tem interesse pela área científica desde a infância, quando observava o pai ir trabalhar na Unicamp com tubos de ensaio. A jovem foi duas medalhista de ouro na Olimpíada Nacional de Ciências.

A estudante também contou à reportagem sobre o interesse por livros de autores como os físicos Carl Sagan e Marcelo Gleiser. Sobre a primeira aula na graduação, na segunda, disse ter ficado impressionada não apenas com a estrutura e recursos tecnológicos, mas também com o incentivo e receptividade dos professores. Além disso, destacou a oportunidade de atuar dentro dos laboratórios.

“A Ilum promete uma graduação muito ampla em várias áreas e muito completa. Então, olhando os laboratórios, eu fico até assustada que eu vou aprender a utilizar todos os equipamentos aqui dos laboratórios. A Isabela daqui três anos vai ser outra pessoa, uma profissional praticamente pronta para entrar no mercado de trabalho e trabalhar como pesquisadora”, contou entusiasmada.

Prédio da Ilum Escola de Ciências, iniciativa do CNPEM, em Campinas (SP) — Foto: Reprodução / Ilum

Prédio da Ilum Escola de Ciências, iniciativa do CNPEM, em Campinas (SP) — Foto: Reprodução / Ilum

O curso