Nova tecnologia a serviço do consumidor

Publicado em 12/05/2017
UNICA em 09/05/2017

LINKhttp://unica.com.br/noticia/18105453920317494047/nova-tecnologia-a-servico-do-consumidor/

Um aplicativo para celular desenvolvido pelo Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), pertencente ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e Materiais (CNPEM-MCTI), poderá reforçar o combate à adulteração de combustíveis no Brasil. Após três anos de trabalho, engenheiros, físicos e químicos brasileiros criaram um dispositivo que possibilita ao consumidor avaliar, em tempo real, a qualidade do produto antes de abastecer o seu carro em um determinado posto.

Para o consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Alfred Szwarc, são bem-vindas tecnologias que reforcem ações contra atividades ilegais no segmento de combustíveis. “Por ano, problemas de adulteração, inadimplência e sonegação fiscal neste mercado geram prejuízos de aproximadamente R$ 2 bilhões, desviando recursos que poderiam ser aplicados em educação, saúde e segurança. É preciso estar atento a este problema e inovar sempre, seja em campanhas de conscientização ou no campo tecnológico”, ressalta.

Atualmente, as bombas de combustíveis no País já são equipadas com um Densímetro, instrumento utilizado para garantir a composição correta do etanol e da gasolina nas bombas, segundo determinações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O biocombustível hidratado feito de cana, por exemplo, deve ser vendido com pelo menos 94,5% de pureza para estar adequado à lei. De acordo com o LNNano, embora o Densímetro seja considerado eficiente, o equipamento depende ainda de um operador para fazer as leituras, o que impede a automação do processo de fiscalização, ao contrário do dispositivo recém-desenvolvido, já patenteado no Brasil.

Basicamente, a nova tecnologia do LNNano funciona por meio de um sensor composto por nanomateriais que, ao detectar a qualidade do combustível vendido na bomba, envia mensagem instantânea, que aparecerá na bomba, tela do celular ou em outros dispositivos conectados à internet. O custo de produção de cada unidade pode ficar entre R$ 100 e R$ 150.

Outras ações

Em novembro de 2016, visando ampliar a discussão e a conscientização dos malefícios advindos de ilicitudes observadas no setor de combustíveis, o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), com o apoio da UNICA, lançou a campanha Combustível Legal. Em abril deste ano, outra importante iniciativa para fazer frente à crescente sofisticação das fraudes eletrônicas e digitais em instrumentos de medição de combustíveis ganhou força com a inauguração do Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Antifraudes do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (IPEM-SP).

Repercussão: Revista Canavieiros

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone