Etanol de segunda geração é tema de encontro internacional no Brasil

Publicado em 02/07/2013

Jornal da Ciência, em 01/07/2013

Evento reúne participantes do projeto de cooperação entre o Brasil e a Comunidade Européia

O Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Instituto Nacional de Tecnologia (INT) e o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), de Portugal, organizam o ProEthanol 2G Workshop, que acontece nos dias 1º e 2 de julho, no Rio de Janeiro, e nos dias 3, 4 e 5, na região de Campinas (SP). O encontro, que tem apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), reúne participantes do projeto de cooperação entre o Brasil e a Comunidade Européia, que visa o desenvolvimento de tecnologias avançadas para a produção de bioetanol de segunda geração (2G). As tecnologias, aprimoradas através da rede de instituições integrantes do projeto ProEthanol2G, viabilizam a produção do etanol a partir da biomassa residual do bagaço e palha da cana-de-açúcar, no caso do Brasil, e a partir da palha de trigo, na Europa.

O primeiro dia do ProEthanol 2G Workshop será dedicado a palestras e discussões técnicas, no Hotel Everest Rio. No segundo dia, pela manhã, os participantes visitam o Laboratório de Bioetanol da UFRJ, recepcionados pela professora Elba Bon, coordenadora brasileira do projeto. À tarde, o grupo estará no INT, conhecendo os Laboratórios de Catálise, de Biocatálise e o Centro de Caracterização em Nanotecnologia, recebidos pela pesquisadora Viridiana Ferreira-Leitão, vice-coordenadora do projeto no Brasil.

No dia 3, o grupo visita a Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, e a Usina Santo Antonio de Açúcar e Etanol. No 4, visitam o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), em Campinas, e, no dia 5, o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) em Piracicaba, tendo as tardes dedicadas a sessões técnicas.

O projeto ProEthanol2G reúne as Instituições europeias LNEG (Portugal), Technical University of Denmark (Dinamarca), Holm Christensen Biosystemer ApS (Dinamarca), Inbicon SA (Dinamarca), Lund University (Suécia), Fraunhofer (Alemanha), Cemat (Espanha), University of Gent (Bélgica), Granit Recherche Dévelopment SA (Suíça), École polytechnique fédérale de Lausanne EPFL (Suíça) e GreenValue SA (Suíça). Pelo Brasil, o projeto reúne o IQ/UFRJ, o INT, as universidades federais de Pernambuco (UFPE), Santa Catarina (UFSC), Minas Gerais (UFMG), a Universidade Regional de Blumenau (FURB), o Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (IVIG/UFRJ) e as empresas Biomm e KL Energy.

(Assessoria de Comunicação INT)

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone