Com investimento de R$ 1,3 bi, Campinas terá novo síncrotron

Rádio CBN Campinas

Henrique Bueno, segunda-feira, 15 dez 2014 11:58

 

Ouça a reportagem aqui

A prefeitura de Campinas expediu o alvará de execução de obra, que autoriza o início da construção do novo laboratório de luz síncrotron, que será instalado no Polo II de Alta Tecnologia. O Projeto Sírius, como é chamado, será erguido em um terreno de 150 mil metros quadrados e vai custar cerca de R$ 1,3 bilhão, financiados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. O laboratório será um dos mais modernos do mundo. A luz síncrotron é utilizada para identificar a estrutura dos átomos, através do acelerador de partículas. Com esses dados exatos, os pesquisadores terão condições de mudar a estrutura das partículas, que poderão ser aplicadas em várias áreas, como a farmacêutica e a agricultura.

A implantação no novo terreno prevê a construção do edifício principal, uma subestação de alta tensão, estacionamentos e melhorias no sistema viário. De acordo com o diretor do Projeto Sírius, Antônio José Roque da Silva, o novo laboratório contará com a quarta geração da luz síncrotron, o que o credencia como um dos mais avançados do planeta. Segundo ele, grande parte do projeto será executada com tecnologia nacional.

Desde que o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron foi instalado em Campinas, entre os anos de 1987 e 1997, os pesquisadores já discutiam a necessidade de ampliação da tecnologia. A primeira versão do Projeto Sírius foi entregue ao Ministério da Ciência e Tecnologia em 2008, mas o trabalho começou de fato no ano seguinte. Com previsão de conclusão em seis anos, o novo laboratório poderá ser utilizado gratuitamente por qualquer pesquisador que tiver seu projeto aprovado por uma comissão ou por empresas, que poderão alugar o equipamento, como explica o professor Antônio José Roque da Silva.

Laboratório Nacional de Luz Síncrotron conta hoje com cerca de 240 funcionários. Quando estiver completo e em plena atividade, o Projeto Sírius será capaz de empregar até 600 trabalhadores.

Rpercussão: SINTPq

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone