Governo investirá R$ 1,5 bi em novo acelerador de partículas

Correio Popular, 24/09/2015

O edifício que receberá o acelerador Sirius está sendo construído em uma área de 150 mil metros quadrados no polo Ciatec 2

ncluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o novo acelerador de partículas Sirius que está sendo construído em Campinas vai receber R$ 1,5 bilhão de investimentos federais até 2019, dos quais R$ 275,5 milhões serão aportados no próximo ano, informou o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo. “A inclusão no PAC mostra que esse projeto é prioritário para o País, porque será uma das mais avançadas fontes de luz síncrotron do mundo e abre oportunidade para empresas brasileiras atuarem como parceiros em diversas áreas de engenharia”, disse o ministro durante visita ao diretor-presidente do Grupo RAC, Sylvino de Godoy Neto.
Além do Sirius, outros dois projetos estratégicos para o País em ciência, tecnologia e inovação foram incluídos no PAC – o Reator Multipropósito Brasileiro, que está sendo implantado no complexo tecnológico Aramar, da Marinha do Brasil, em Iperó e a ampliação da unidade de concentração de urânio em Caitité, na Bahia. O reator abrange um complexo de pesquisa nuclear para a produção de radioisótopos, que são a base para os radiofármacos. Hoje, o Brasil importa os radiofármacos e com o reator, disse Rebelo, o País será autossuficiente na produção. O projeto receberá R$ 1,5 bilhão até 2019. Já a unidade de concentração da urânio vai permitir que a Indústrias Nucleares do Brasil (INB) retome a produção de urânio da mina de Caetité, em condições de atender, em 2017, a demanda atual de Angra 1 e 2, avaliada em 400 toneladas de urânio por ano e de Angra 3, que deve entrar em operação comercial em 2018.
O edifício que receberá o Sirius está sendo construído em uma área de 150 mil metros quadrados, junto ao complexo do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), no polo Ciatec 2. O terreno foi desapropriado e cedido pelo governo do Estado.
Segundo o CNPEM, a fonte de luz do Sirius foi projetada para ter o maior brilho dentre todos os equipamentos na sua classe de energia, o que deverá levar o Brasil à liderança mundial de geração de luz síncrotron.
O prédio está entre as obras civis mais sofisticadas já construídas no país, com exigências de estabilidade mecânica e térmica sem precedentes, que desafiam a engenharia brasileira. Sua infraestrutura será aberta e poderá ser usada por pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento, permitindo o avanço de áreas estratégicas para o País, como agricultura, saúde e energia.
Rebelo afirmou que é a primeira vez, desde que foi criado, que a área de ciência, tecnologia e inovação é incluída no PAC. Além da garantia de recursos – apesar do contingenciamento de verbas pelo governo federal, os projetos do ministério foram preservados – a inclusão na lista do PAC, permite que os contratos firmados poderão ser executados por meio do Regime Diferenciado de Contratações (RDC). O RDC acelera e simplifica procedimentos das licitações porque, entre outros mecanismos, permite a contratação por inteiro de uma obra, sem necessidade de contratar em separado o projeto básico, o projeto executivo e a execução.

RETRANCA

Os investimentos no Sirius permitirão ao Brasil manter a sua competitividade nas próximas décadas em áreas estratégicas como nanociência, biologia molecular estrutural – base para o desenvolvimento de fármacos – materiais avançados e energias alternativas, dentre várias outras.
A nova fonte de luz será composta por um conjunto de aceleradores de elétrons de última geração, por estações experimentais e por um edifício de 68 mil metros quadrados, que abrigará todo este complexo, que abrange uma infraestrutura de geração de luz chamada de luz síncrotron, que é uma radiação eletromagnética de amplo espectro, abrangendo diferentes tipos de energia, desde o infravermelho até os raios X. Ela é captada e direcionada para as chamadas “linhas de luz”, onde os cientistas podem utilizá-la para uma série de aplicações – principalmente, para investigar as propriedades atômicas de materiais, tanto orgânicos (como uma célula, ou uma proteína) quanto inorgânicos (como uma liga de metal ou algum tipo de cerâmica industrial)

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone