CNPEM tem dois pesquisadores aprovados na 2ª fase da chamada pública do Instituto Serrapilheira

Publicado em 17/05/2019
Assessoria de Comunicação (com informações do Instituto Serrapilheira)

 

 

 

 

 

 

Ao todo, 12 cientistas foram selecionados a partir da 1ª chamada realizada pelo instituto, e receberão R$ 1 milhão cada para investir em seus projetos ao longo de três anos           

 

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP), teve dois pesquisadores selecionados na segunda fase da Chamada Pública do Instituto Serrapilheira, instituição privada sem fins lucrativos voltada ao financiamento de projetos científicos.

Ao todo, foram selecionados doze projetos, a partir da lista dos selecionados na primeira fase da Chamada Pública nº 1, realizada em 2017. Os pesquisadores do CNPEM Daniela Trivella (LNBio) e Narcizo de Souza Neto (LNLS) receberão um novo financiamento, no valor de até R$ 1 milhão, para investir em seus projetos ao longo dos próximos três anos, com flexibilidade para emprego desses recursos.

Esse é o mais alto aporte de recursos que o Serrapilheira oferece a pesquisadores. Na primeira fase da Chamada Pública nº 1, cinco pesquisadores do CNPEM foram aprovados, de um total de 65, selecionados a partir de 1955 projetos submetidos. Dentre as 331 instituições de pesquisa que participaram da chamada, o CNPEM foi, proporcionalmente, o principal destaque pela quantidade de projetos aprovados.

Nesta segunda fase, o CNPEM novamente destaca-se como a instituição de origem de 16% dos pesquisadores aprovados. Nesta etapa, os pesquisadores aprovados na primeira fase foram reavaliados pelo Conselho Científico do Serrapilheira. “Esses doze foram escolhidos dentre quase 2 mil inscritos, ou seja, foram contempladas apenas 0,6% das propostas encaminhadas; foi um processo extremamente competitivo”, destaca o presidente do Conselho Científico, Edgar Zanotto.

 

Conheça os aprovados do CNPEM

O projeto de Daniela Trivella (CNPEM/LNBio), na área de Química, Computação e Ciências da Vida, baseia-se na investigação de produtos naturais, que representam a mais valiosa fonte de esqueletos químicos para o desenvolvimento de medicamentos. O projeto de Daniela propõe a criação de uma plataforma computacional integrada para interpretação de dados experimentais, de forma a acelerar o processo de identificação de novos produtos naturais bioativos e seus locais de ligação em proteínas-alvo, embasando o desenvolvimento de novos medicamentos a partir da biodiversidade.

O projeto de Narcizo de Souza Neto (CNPEM/LNLS), na área de Física, propõe a investigação de materiais supercondutores capaz de operar em temperatura ambiente. Um material com tais propriedades reduziria drasticamente os custos das aplicações de eletricidade, já que não haveria perdas devido à resistência elétrica. O projeto de Narcizo propõe desenvolver novas técnicas, com uso de raios-x de alto brilho, para estudar materiais em condições extremas de pressão e temperatura, com o potencial de descobrir um supercondutor capaz de atuar em temperatura ambiente.