Unicamp: Equipe “Protetores do Futuro” vence o III Grande Desafio

Publicado em 23/06/2009

23/06/2009 – Blog Vida Universitária

A equipe “Protetores do Futuro”, da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Maria Pavanati Fávaro, em  Campinas, venceu no domingo (21), o III Grande Desafio do Museu Exploratório de Ciências (MC) da Unicamp. Com isso recebeu o direito de batizar o asteróide 15453, descoberto em 1998, pelo astrofísico venezuelano Orlando Naranjo da Universidad de Los Andes.  “Tudo o que eles fazem é com orgulho”, disse emocionada a professora Carmem Lúcia Melotti, professora da escola vencedora. O grupo desenvolveu um equipamento, com manivela de madeira, para faciliar o acesso ao ninho do Gavião Real, objetivo do Grande Desafio.

O nome do asteróide, ainda segredo, será revelado em breve, quando a equipe encaminhará a proposta ao Museu Exploratório de Ciências. A sugestão será entregue ao pesquisador Orlando Naranjo para que ele a submeta à União Internacional de Astronomia (UIA), que analisará a escolha e dará o aval em um prazo de até 30 dias. “Estou seguro de que o nome escolhido pela equipe vencedora será acatado pela UIA”, disse o astrofísico Naranjo. Em videoconferência, apresentada durante o evento, lembrou que isso já aconteceu há dois anos. Em 2007, a equipe Sybots, da escola COC Jean Piaget, batizou outro asteróide do cientista como Ourinhos, cidade de origem da escola.

Foram distribuídos 15 prêmios e sete menções honrosas do III Grande Desafio. As equipes competiram por categorias de ensino, de acordo com a faixa de idade. Nas categorias Ensino Fundamental I e II e Ensino médio, os estudantes disputavam os prêmios “Desempenho”, “Trabalho em equipe”, “Criatividade”, “Melhor Solução” e duas menções honrosas. Na categoria EJA (Ensino de Jovens e Adiltos), os alunos concorriam pela “Melhor Solução” e uma menção honrosa. Independente de categoria de inscrição, todos os participantes do Grande Desafio também podiam ser premiados como “Melhor Torcida”, “Equipe Comunitária” e a “Super Solução”.

Para o diretor do Museu, Marcelo Firer, a maior recompensa é observar o crescimento de todos os estudantes das escolas participante das três edições “Você observa uma equipe que participou dos três Grandes Desafios e percebe que ela melhorou o jeito de conceber o projeto”, disse.

Alegria
Muitas lágrimas de felicidade no Grande Desafio. Mais dos professores que alunos. A professora de ciências Maria do Carmo estava feliz com a apresentação dos seus alunos, integrantes da equipe Fluble, do Núcleo Educacional Interativa, de Itapira, vencedora do prêmio “Melhor Solução”, na categoria Ensino Médio. Eles desenvolveram uma garra eletrônica guiada por câmeraweb para chegar até o ovo do gavião. O objetivo principal era obter vários ângulos dos ovos no ninho, facilitando o resgate. “Essa equipe é muito unida e responsável”, disse a professora emocionada. “Além das provas e trabalhos diários eles ainda se reuniram para desenvolver o projeto”, completou.

Participaram da cerimônia de premiação, no final da tarde do domingo, os pró-reitores da Unicamp Mohamed Habib (Extensão), Ronaldo Aloise Pilli (Pesquisa) e Marcelo Knobel (Graduação), este representando o reitor Fernando Costa; João Fitipaldi, diretor-médico da Pfizer Brasil; Juliana Stefano, do Instituto Sangari; Carmem Zink, membro do Conselho do Museu Exploratório de Ciências e Regis Neuenschwander, diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron.

Via Unicamp

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone