Superlaboratório: ‘Sirius está no limite do que a física permite’, afirma diretor

G1 Campinas e Região em 20/05/2016

 

Quando inaugurado, projeto brasileiro será liderança mundial de síncrotrons.
Na 4ª reportagem, especial mostra que tecnologia estará no ‘estado da arte’.

 

Projeto Sirius (Foto: Divulgação/ LNLS)

Maquete digital do Projeto Sirius que está sendo construído em Campinas (Foto: Divulgação/ LNLS).

“O Sirius está sendo desenhado para ter uma sobrevida de décadas, principalmente porque em algumas questões, características, ele está no limite do que a física permite […] a vida útil dele é de pelo menos uns 30 anos”, afirma Antônio José Roque da Silva, diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), sobre o superlaboratório que está sendo construído em Campinas (SP)

O projeto ganhou o nome de Sirius em referência a uma estrela de grande brilho localizada na constelação de Canis Major. Quando ficar pronto em 2018, ele vai ser liderança mundial em síncrotrons, superando o que será inaugurado em junho deste ano na Suécia.

Sirius ficará pronto em 2018 (Foto: Divulgação/ LNLS)

Sirius ficará pronto em 2018 e abrirá ao público em 2019 (Foto: Divulgação/ LNLS).

O Sirius será um superlaboratório de 68 mil m² em um terreno de 150 mil m² junto ao campus do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (Cnpem), onde está instalado o Polo II de Alta Tecnologia [veja as maquetes acima]. A área total equivale a 21 campos de futebol.

O custo estimado é de, aproximadamente, R$ 1,3 bilhão. A obra e os equipamentos são financiados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, já o terreno foi comprado pelo governo estadual. Não há verba privada neste momento do projeto.

Na última reportagem da série especial sobre o superlaboratório, o G1 vai falar sobre o impacto que o Sirius trará para ciência brasileira e mundial, e como ele colocará a tecnologia em “estado da arte”, que é o ponto mais alto do conhecimento científico.

Na primeira reportagem, o especial abordou os usos da luz síncrotron. Na segunda, o assunto foio nascimento do LNLS, o “embrião” do projeto Sirius . Já na terceira, foi a vez de mostrarpesquisadores e estudos desenvolvidos.

Mapa síncrotrons pelo mundo (Foto: Henrique Maruyama/ Arte G1)

Mapa das fontes de luz síncrotron pelo mundo (Foto: Henrique Maruyama/ Arte G1).

Luz-sincrotron - arte vale (Foto: Taiane Moretti/ Arte G1)

Segundo Antônio José Roque da Silva, os primeiros estudos do projeto Sirius começaram em 2009, quando nascia a terceira geração de síncrotrons, que é a usada pela comunidade científica atualmente.

“O projeto foi feito entre 2009 e 2012 e foi sendo estruturado, protótipos foram sendo fabricados, ou seja, o projeto evoluiu até que nós decidimos que estávamos prontos para uma apresentação […] Então, em 2012 formamos esse comitê, com representantes dos Estados Unidos, Europa e da China”, afirma.

“Reprojetamos o Sirius inteiro para o desenho atual dele e que passa, então, nesse momento a ser pioneiro, inclusive aproveitando o que tinha sido aprendido com o síncrotron sueco”
Antônio José Roque da Silva, diretor

No entanto, o diretor destaca que durante a avaliação, o comitê deu uma recomendação, que mudou todo o rumo do projeto.

“Eles analisaram e disseram o projeto estava excelente pelos padrões de hoje e o hoje era 2012. Só que eles falaram que o mundo estava iniciando, através de um projeto na Suécia, uma nova geração síncrotrons […] era um avanço tecnológico que ia aumentar o brilho. Aí, eles recomendaram uma análise para construir algo parecido”, explica.

Então, os pesquisadores concluíram que era necessário seguir a nova tendência de síncrotrons para não nascer numa tecnologia abaixo. “Reprojetamos o Sirius inteiro para o desenho atual dele e que passa, então, nesse momento a ser pioneiro, inclusive aproveitando o que tinha sido aprendido com o síncrotron sueco [..] nós fizemos avanços, melhorias em relação a esse projeto, com soluções nossas”, conta.

feixe de luz arte (Foto: Taiane Moretti/ Arte G1)

Quando inaugurado, o Sirius assumirá a liderança mundial de síncrotrons e o país será uma referência entre os laboratórios mundiais. “Quando ele ficar pronto, seguindo o cronograma que é ter o primeiro feixe de luz em 2018, e aí abrir para usuário em 2019, ele será um dos dois únicos de quarta geração e inclusive, sendo projetado para ter um brilho maior do que o sueco, porque ele veio um pouco depois”, pontua Silva.

Além disso, a vida útil do laboratório será longa porque vai ser possível ir atualizando o equipamento, o que deve fazer com que o Brasil permanece na liderança mundial da categoria.

“Em 30 anos você sai da estaca zero e passa a ter um projeto que é liderança mundial. Que coloca o Brasil na fronteira, então tem impactos tecnológicos significativos. [..] Vamos prover para comunidade brasileira e internacional, uma ferramenta que vai permitir trabalhos na fronteira, no estado da arte”, salienta. [veja o andamento das obras no vídeo abaixo]

G1 Campinas e Região - Série de Reportagens
investimento - arte (Foto: Henrique Maruyama/ Arte G1)

As obras começaram logo após o lançamento da pedra fundamental e assinatura do contrato em dezembro de 2014 e, segundo Silva, estão dentro do planejado. “A parte civil evoluiu, está com pouco mais de 20% executado. Alguns itens finais já foram até recebidos […] o acelerador linear, ele foi um contrato internacional, quem ganhou essa concorrência foi um laboratório chinês, e ele tá pronto. Do ponto de vista de linhas de luz, vários protótipos já estão encaminhados. O projeto hoje está dentro do cronograma”, destaca.

O projeto, que foi orçado em R$ 1,3 bilhão, vai abrigar uma das construções civis mais complexas do país.

“O prédio em si talvez seja, em alguns aspectos, a construção mais sofisticada que o Brasil já fez, do ponto de vista de vibração, de piso, de estabilidade, de ar condicionado. A parte civil compõe metade desse custo”, explica.

O restante do investimento será dividido entre pagamento de recursos humanos, aceleradores e as estações experimentais, que serão 13 no início da operação, mas que serão ampliadas posteriormente.

Além disso, o diretor salienta que o projeto, assim como o anterior, é 100% nacional. No entanto, dessa vez há itens importados e outros feitos no país. “Tem uma meta de execução nacional de 70%, mas há itens que precisam ser importados e mesmo a fabricação nacional envolve a importação de itens para fabricar aqui”, salienta.

futuro - arte (Foto: Henrique Maruyama/ Arte G1)

O superlaboratório deve emitir o primeiro feixe de luz em 2018 e abrir para usuário em 2019. O funcionamento do Sirius irá impactar nas áreas de biociência, medicina, saúde, meio ambiente e agricultura, que são estratégicas.

“Por exemplo, se você pegar o zika, que é um problema que hoje todo mundo sente ou uma doença como dengue. O Sirius irá permitir que você faça estudos desde a estrutura desse vírus em si quanto estudos como esse que você enxerga o efeito nos tecidos. Você não tem hoje no mundo uma ferramenta que vai na escala que o Sirius vai permitir enxergar”, afirma.

Sirius terá superacelerador de elétrons (Foto: Divulgação/ LNLS)

Sirius terá superacelerador de elétrons em seu ‘coração'(Foto: Divulgação/ LNLS).

Questionado pelo G1 se a crise econômica e a mudança no cenário político brasileiro poderiam gerar reflexos no projeto, Silva afirmou que não foi necessário fazer nenhum tipo de replanejamento até o momento.

“Do ponto de vista das dificuldades econômicas, obviamente, isso é uma preocupação, você não pode dizer que você não tem. Entretanto, até o momento, nós não tivemos que diminuir o ritmo, ou fazer nenhum planejamento […] nós temos que acompanhar a evolução da situação do país como qualquer outro brasileiro”, revela.

O diretor destacou também que em momentos de crise investir em ciência e tecnologia é mais que fundamental, já que elas podem apresentar soluções para resolver o problema.

“Os Estados Unidos, no momento em que teve uma crise brutal, comparada a crise de 29, o Obama anunciou programa de investimento de ciência e tecnologia no auge da crise, entendendo que através de ciência e tecnologia que você tem a chance de gerar inovação, novas ideias para ajudar a sair da crise”, finaliza.

créditos Projeto Sirius (Foto: Henrique Murayama/ Arte G1)
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone