Reator multipropósito vai garantir independência nuclear do Brasil

Publicado em 01/03/2012
Agência O Globo, em 7 de fevereiro de 2012

Cesar Baima

RIO – O projeto do primeiro reator nuclear multipropósito brasileiro de grande porte (RMB), estabelecido como meta do Plano de Ação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (PACTI/MCT) em 2007, começa finalmente a sair do papel. Como o próprio nome diz, o equipamento, orçado em R$ 850 milhões, tem múltiplas finalidades. Entre as principais está a produção de radioisótopos para uso na medicina nuclear, como exames e tratamento do câncer, além de pesquisas em campos tão diversos como tecnologia nuclear, energia, agricultura, indústria, ciência de materiais e meio ambiente.

No Brasil, são realizados cerca de 1,5 milhão de procedimentos por ano com radiofármacos. Mais de 80% deles usam o radioisótopo tecnécio-99, derivado do molibdênio-99 e insumo atualmente não produzido no país, tendo que ser totalmente importado. Somados a outros elementos radioativos também utilizados nos serviços de saúde que não são atendidos plenamente pelos pequenos reatores de pesquisa instalados no país, o gasto passa dos R$ 30 milhões anuais. O reator ficará pronto em 2017 e terá vida útil de 50 anos. Só a produção de radioisótopos será suficiente para pagar o investimento em 20 anos.

Participação no submarino nuclear

Com o RMB, o Brasil se tornará autossuficiente no setor, podendo dobrar a quantidade de radiofármacos ofertada à sociedade e exportar eventuais excedentes, ingressando no restrito mercado mundial de fornecimento de radioisótopos, hoje dominado por instituições de Canadá, África do Sul, Holanda, Bélgica e França, que produzem mais de 95% do suprimento global de molibdênio-99. Em 2009 e 2010, paradas não programadas nos reatores do Canadá e da Holanda provocaram uma crise no abastecimento e levaram à suspensão de milhões de procedimentos em todo mundo.

– O RMB terá uma grande aplicação social para o país – diz José Augusto Perrotta, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e coordenador técnico do projeto. – Além da produção dos radioisótopos para os radiofármacos de uso destacado na medicina, seu fluxo de nêutrons de grande intensidade irá testar combustíveis e materiais usados nos reatores de geração de energia e de propulsão, dando segurança a esses projetos e garantindo a continuidade no desenvolvimento do conhecimento nuclear do país. Por fim, ele abrigará um laboratório de uso de feixe de nêutrons em pesquisas de materiais usados em diversos setores da economia em complemento ao Laboratório Nacional de Luz Síncroton.

O reator será construído no município paulista de Iperó, junto ao Centro Experimental de Aramar, da Marinha, onde é desenvolvido o protótipo do submarino nuclear brasileiro, e ajudará a testar os materiais e combustíveis usados por ele. O projeto recebeu os primeiros R$ 30 milhões da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o orçamento federal deste ano prevê a liberação de mais R$ 32 milhões. Além disso, o Brasil assinou acordo com a Comissão Nacional de Energia Atômica da Argentina (CNEA) para o desenvolvimento de projeto básico comum dos reatores multipropósitos do Brasil (RMB) e da Argentina (RA-10). A empresa argentina Invap foi responsável pelo projeto do reator de pesquisas australiano Opal, inaugurado em 2007, que servirá de referência para o RMB e o novo reator argentino.

– Esse acordo com a Argentina é muito importante – avalia Perrotta. – Eles estão fazendo um reator lá e nós um aqui, o que permite baratear os custos para os dois países.

Perrotta destaca que usar o desenho do Opal como referência facilitará a obtenção dos licenciamentos ambientais e nuclear para o RMB. Instalado a apenas 40 quilômetros de Sydney, a maior cidade da Austrália, o equipamento é considerado um exemplo de confiabilidade na indústria nuclear.

– Nos reatores de pesquisa, a piscina é a própria blindagem – ressalta. – Ela mantém a temperatura do reator baixa, o que dá uma segurança inerente muito grande para o sistema, bem mais simples do que os de reatores de potência de usinas nucleares. Assim, seu grau de confiabilidade é bem maior e por isso eles podem ficar mais próximos de cidades.

Perrotta explica que, para obter o intenso fluxo de nêutrons necessário para suas aplicações, os reatores de pesquisas têm funcionamento e projetos bem diferentes dos usados em usinas de geração de energia como as de Angra. Enquanto estes se focam na eficiência termodinâmica para produzir o máximo de eletricidade em seus processos, os equipamentos multipropósito operam a temperaturas baixas de olho na maximização do uso dos nêutrons gerados pela fissão dos átomos de urânio. Para isso, eles usam um tipo de combustível diferente, com uma concentração de 20% de urânio-235, contra 4% das usinas nucleares.

– A concentração de urânio no combustível dos reatores de pesquisa é cerca da metade daquelas dos reatores de usinas nucleares – conta Perrotta. – Assim, para compensar a menor quantidade, é preciso que eles utilizem um enriquecimento maior para atingir a massa crítica e manter as reações nucleares. Isso permite ainda ter um reator mais compacto, o que também contribui para a obtenção de um fluxo de nêutrons maior.

Repercussão: Yahoo!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone