Prêmio Anísio Teixeira

Publicado em 15/07/2011
Portal da Capes em 11 de Julho de 2011

Por Assessoria de Imprensa da Capes

Dando continuidade às solenidades em comemoração aos 60 anos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), aconteceu nesta segunda-feira, 11, no Palácio do Planalto, em Brasília, a entrega do Prêmio Anísio Teixeira. Instituído por meio da Portaria nº 216, de 9 de março de 1981, o prêmio homenageia personalidades brasileiras que tenham contribuído de modo relevante para o desenvolvimento da pesquisa e formação de recursos humanos no país.

O prêmio é uma homenagem ao educador Anísio Teixeira, intelectual baiano que difundiu o papel transformador da educação e da escola para a construção de uma sociedade moderna e democrática. Anísio Teixeira idealizou a primeira universidade com cursos de graduação e pós-graduação. Foi o primeiro presidente da Capes, fundada em 1951, e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep), que, desde 2001, incluiu o nome Anísio Teixeira ao da instituição.

Premiação

Este ano, receberam o prêmio das mãos da presidenta da República, Dilma Rousseff, os agraciados Álvaro Toubes Prata, Fernando Galembeck, João Fernando Gomes de Oliveira, Luiz Bevilacqua e Nelson Maculan Filho. Também estavam presentes na solenidade a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Helena Hoffmann; o ministro da Educação, Fernando Haddad; e o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães.

Em nome de todos os premiados, Álvaro Toubes Prata explicou a importância de comemorar os avanços na educação brasileira. “É crescente a percepção da sociedade brasileira de que somente através da educação nos tornaremos uma nação de mulheres e homens livres. Livres intelectualmente, sendo capazes de pensar por si próprio e decidir sobres suas opções de vida, e livres socialmente, com suas qualificações e habilidades lhes assegurando uma existência saudável, com conforto e oportunidades. Só a educação de fato nos liberta e todos temos o direito de ser livres.”

Educação Básica

Álvaro lembrou da importância da Capes, principalmente com a ampliação da missão fundação, que passa a abranger a formação inicial e continuada de professores da educação básica, fazendo com que nos aproximemos dos valores dos ideais de Anísio Teixeira. Para finalizar, agradeceu a premiação. “É uma grande honra para nós receber o prêmio Anísio Teixeira e nos juntar a tantos que respeitamos e admiramos.”Fernando Haddad ressaltou a importância das atividades já realizadas pela Capes e também citou o desafio de introduzir na agenda da fundação a missão, que talvez seja a mais importante pela frente, que é a valorização do magistério da escola pública, desempenhada pela agência desde 2007. “Iniciamos o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência [Pibid] e já atingimos a marca de 20 mil bolsistas, muito rapidamente, fecharemos o ano de 2011 com 30 mil bolsistas e a meta para 2012 é chegarmos a 45 mil bolsistas.”

Haddad explicou que a Capes, por meio deste programa, estará oferecendo aos jovens licenciandos deste país, durante a formação inicial, a oportunidade de frequentar – com a tutoria e a monitoria adequadas – as escolas públicas deste país e, ao fazê-lo, proporcionar às universidades formadoras o repensar das próprias licenciaturas e proporcionar às escolas públicas o repensar do seu projeto pedagógico. “Esse resgate vem ao encontro do maior sonho de Anísio Teixeira: de que a Capes fosse uma agência de fomento e formação de nível superior para toda a educação básica e superior e não apenas para a formação de mestres e doutores que atuam nas universidades”, completou.

A presidenta da República, Dilma Rousseff, esclareceu que o país está preparado para o desafio da sociedade do conhecimento e ressaltou idéias de Anísio Teixeira. “Sem dúvida, a escola pública é fundamental nessa estratégia. Eu concordo integralmente com um grande dirigente da Capes, Anísio Teixeira, que dizia que só existirá democracia no Brasil no dia que se montar a maquina que produz democracia e essa máquina é a escola pública”, disse.

60 anos

O presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, falou sobre os 60 anos da agência. “A Capes completa 60 anos de atividades fomentando, avaliando e monitorando o processo de formação das gerações que vem construindo um país mais qualificado para enfrentamento dos seus desafios na educação nas artes, na cultura, na ciência, na tecnologia e na inovação, propiciando a construção de um país mais capacitado para exercer seu importante papel entre as nações mais desenvolvidas.”

Ressaltou que os presidentes e dirigentes da Capes trabalharam e trabalham, ao longo de seis décadas, para alcançar a plena realização do que foi idealizado e estabelecido no artigo 2º do Decreto 29.741: “assegurar a existência de pessoal especializado em quantidade e qualidade suficientes para atender às necessidades dos empreendimentos públicos e privados que visam o desenvolvimento econômico e social do país”.

Para finalizar, Dilma Rousseff reforçou a importância da agência. “Ao longo desses 60 anos, a Capes foi um dos instrumentos que ajudou o país a dar muitos passos para frente e, cada vez mais, a Capes será essencial para que esses passos continuem sendo dados de forma acelerada.”

Premiados

Álvaro Toubes Prata

Professor titular da Universidade Federal de Santa Catarina e seu atual reitor. Foi coordenador de área das Engenharias III na CAPES, é pesquisador nível 1A no CNPq e coordena o Instituto Nacional de Refrigeração e Termofísica. É reconhecido com a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico Classe Grã Cruz, dirigida a personalidades que se distinguem por relevantes contribuições à ciência.

Fernando Galembeck

Professor titular da Universidade Estadual de Campinas, vinculado ao Instituto de Química, orientou 80 teses das quais três foram premiadas. Atua na área de novos materiais, tendo licenciado sete patentes. Foi dirigente, assessor e consultor de várias entidades e empresas. Participou da implementação do PADCT, que revolucionou a Química brasileira. Recebeu prêmios no Brasil e no exterior, destacando-se os da Abiquim, SBQ e o Álvaro Alberto, em 2007.

João Fernando Gomes de Oliveira

É professor titular da Escola de Engenharia de São Carlos /USP e diretor presidente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do estado de São Paulo. Possui pós-doutorado pela UC – Berkeley. Foi Coordenador da Área de Engenharias III da CAPES. Tem 200 trabalhos publicados em periódicos, congressos, revistas e jornais e cinco patentes. Foi condecorado com a Comenda e a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico. Recebeu o Prêmio da Fundação Conrado Wessel e o SAP Americas Innovation Award.


Luiz Bevilacqua

É professor Emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuou como secretário executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia; diretor das Unidades de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro; presidente da Agência Espacial Brasileira. Na acadêmica destacam-se a criação do programa de engenharia civil da COPPE-UFRJ, Vice-reitor Acadêmico da PUC-RJ, Diretor da COPPE, Reitor da Universidade Federal do ABC.

Nelson Maculan Filho

É professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ultrapassou a centena de trabalhos publicados, formou 150 mestres e 60 doutores e ocupou cargos de destaque na administração acadêmica, entre eles, Reitor da UFRJ e Secretário de Educação Superior do MEC. Recebeu diversas honrarias como o título de Doutor Honoris Causa da Univ. Paris 13 e a Medalha da Ordem Nacional do Mérito Científico. É membro da Academia Brasileira de Ciências.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone