Pesquisadores denunciam situação crítica em 2ª Marcha Pela Ciência no Brasil

Publicado em 13/09/2017
Jornal Grande Bahia , 9 de setembro de 2017

“O orçamento para ciência, tecnologia e educação que está delineado para o ano que vem é dramático. Agora, mais do que nunca, temos que nos mobilizar”, declarou o presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira.

Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, São Luís (MA) e Porto Alegre (RS) realizaram no sábado, 2 de setembro, a 2ª Marcha Pela Ciência no Brasil.  O evento, organizado pela Campanha Conhecimento Sem Cortes para acontecer inicialmente na capital carioca e depois ganhou adesão de mais cidades, teve como objetivo alertar a população sobre a gravidade dos cortes orçamentários que vêm impossibilitando o desenvolvimento de pesquisas vitais para o desenvolvimento do País e poderão comprometer a formação dos futuros cientistas.

Com apoio da SBPC, as marchas marcam o início de um grande movimento nacional em defesa da ciência, da tecnologia e da educação diante dos graves contingenciamentos neste ano e da previsão de cortes ainda mais impactantes para as áreas na Proposta de Lei Orçamentária de 2018 (PLOA 2018). Exemplo disso é que na proposta apresentada pelo governo na última quinta-feira, 31, as dotações de CT&I relacionadas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foram eliminadas, o que deixa projetos como o Sirius, do CNPEM, e o Reator Multipropósito, sem garantia nenhuma de recursos.

O presidente das SBPC, Ildeu de Castro Moreira, afirma que os movimentos terão continuidade nas próximas semanas, com ações junto ao Congresso Nacional, na expectativa de reverter os cortes previstos para 2018 e recuperar o que foi contingenciado em 2017.

“O orçamento para ciência, tecnologia e educação que está delineado para o ano que vem é dramático: estão desenhando valores extremamente baixos, que não mantêm a ciência brasileira. Houve cortes muito significativos, já tivemos esse ano um contingenciamento brutal, da ordem de 45%, e estamos fazendo uma campanha muito grande para repor esses recursos”, disse ele, durante a Marcha no Rio de Janeiro, realizada em frente ao Museu do Amanhã.

Moreira alerta que os cortes terão impactos profundos nas atividades do CNPq, da Capes, da Finep, bem como em todos os projetos e bolsas de pesquisa, na formação dos jovens e no funcionamento das universidades públicas. Ele destaca que a SBPC e suas mais de 130 associações científicas afiliadas, organizações de CT&I, a Academia Brasileira de Ciências (ABC), vêm fazendo uma grande campanha nacional, juntamente à população e ao governo, com manifestos constantemente encaminhados ao presidente da República, aos ministros, deputados e senadores. “Agora, mais do que nunca, temos que nos mobilizar mais e mais, para atuarmos com força e conseguirmos reverter esse cenário”, disse.

Alerta à população

Reunidos em frente ao Museu do Amanhã, pesquisadores, alunos e professores das Universidades Estadual e Federal do Rio de Janeiro – UERJ, UFRJ -, de institutos, representantes de associações e deputados mobilizaram cerca de mil pessoas entre os participantes da Marcha e a população que passava por ali e parava para participar das atividades. Haviam estandes das instituições, música e discursos para informar a população sobre a gravidade da situação de penúria que a ciência brasileira enfrenta hoje por consequência das políticas de cortes do governo.

“Estamos aqui para denunciar os 40 bilhões cortados da ciência. Uma situação gravíssima para quem pensa o Brasil do presente e o Brasil do futuro. Não sei se teremos esse futuro com esse governo”, disse a deputada Jandira Feghali, em divulgação ao vivo da Marcha em seu Facebook.

Ela entrevistou o deputado Celso Pansera, que também participou da manifestação no Rio de Janeiro: “O governo precisa entender que tem que apartar o orçamento da ciência e da educação, porque sem isso não tem como sair da recessão”, declarou Pansera.

A presidente da Associação Nacional de Pós-graduandos, Tamara Naiz, discursou no palanque levantado na Praça Mauá, em frente ao Museu do Amanhã e ressaltou a importância da participação dos pesquisadores brasileiros na manifestação.

“Hoje sentimos uma grande sensação de insegurança com o nosso futuro. A gente sente como se tivesse vivendo uma desconstrução do nosso futuro. E é por isso que é importante que a gente esteja atento e forte pensando qual vai ser o amanhã. O amanhã da ciência brasileira, mas, também, o amanhã do nosso país. A bolsa de pesquisa é uma necessidade para o país que precisa se desenvolver em novos patamares, que precisa atrair muita gente para desenvolver sua ciência”, disse, ressaltando a insegurança dos pesquisadores que vivem agora em constante ameaça de cortes no financiamento de seus trabalhos.

Naiz foi enfática ao destacar à plateia a necessidade de todos se envolverem na luta em defesa da ciência brasileira. “A gente sabe que a ciência e a educação têm muito potencial para desenvolver o País. Elas geram conhecimento, riqueza, geram oportunidades, e devem estar a serviço do bem estar do nosso povo”.

Sem ciência, sem avanço

Em São Paulo, a Marcha Pela Ciência se concentrou em frente ao MASP e, com apoio da Polícia Militar, que se prontificou a parar o trânsito e escoltar os manifestantes, a Marcha seguiu pela Avenida Paulista, por cerca de 1km, até o prédio do escritório da Presidência da República na cidade. Os cartazes e o coro que entoava “Se para a ciência não avança o Brasil” chamaram a atenção dos carros e pedestres, que paravam para assistir à manifestação.

Ao final, o grupo de cerca de 200 manifestantes bradou em uníssono o manifesto da Marcha: “Nós, pesquisadores brasileiros, estamos na rua, pela ciência brasileira. Estamos aqui para denunciar o desmonte da ciência que vem acontecendo por falta de verbas. Estamos aqui para dizer que sem ciência, o Brasil não avança. Sem ciência, não há remédio, não há alimentação, não há transporte público. A ciência não pode ser considerada gasto. Ciência é investimento. Investimento para retomada do desenvolvimento brasileiro. Sem ciência não há amanhã”.

A tesoureira da SBPC, Lucile Floeter Winter, destacou a importância desse tipo de manifestação de conscientizar toda a sociedade para o papel que a ciência tem no cotidiano das pessoas e no desenvolvimento do País. “É um movimento que é importante. Estamos lutando por liberdade, por independência, por soberania nacional e para conscientizar todo mundo que todo dia a ciência está na vida de cada um”, afirmou.

Uma das organizadoras do evento, a bióloga da USP, Nathalie Cella, falou da importância dos cientistas se juntarem às manifestações. “Estamos nesse ano com ¼ dos recursos que tínhamos em 2010, a expectativa é que isso caia e que a gente não tenha nem bolsas para os nossos estudantes, e que mais laboratórios se fechem. Precisamos agora sair dos nossos laboratórios para tentar continuar a ter ciência. Precisamos começar a pensar em política científica, criar coragem e investir nosso tempo nisso”, alertou.

Apesar da participação pequena, considerando o tamanho da população de pesquisadores e universitários em São Paulo, o divulgador científico Roberto Takata, que também atuou na organização do evento, acredita que esta segunda Marcha teve um impacto maior do que o esperado. “Considerando que organizamos em quatro dias, conseguimos, somente na base do gogó, ter mais impacto com a caminhada pela Avenida Paulista. Mesmo sem esperar muito impacto dessa vez, acabou saindo bem maior do que esperado”, disse.

“É um movimento que tem demonstrado resistência em defesa da ciência brasileira”, descreveu Vinícius Soares, secretário-geral da ANPG, em São Paulo. “O que está acontecendo no País é realmente um desmonte de tudo aquilo que a gente conquistou a duras penas. Sem ciência, teríamos uma epidemia descontrolada de zika vírus. Se o Brasil não olhar a ciência como investimento, ficar olhando sempre como gasto e cortar sempre que tem crise, não vamos conseguir avançar para nenhum lugar. A ciência é o que nos dará o norte para retomarmos o crescimento do País”, disse.

A Marcha paulista contou com grande participação dos pesquisadores dos Institutos de Pesquisa do Estado de São Paulo. “O sucateamento está acontecendo com a ciência, nos institutos do governo e nas universidades. Pertenço a um dos 18 institutos do Estado de São Paulo, e todos nós estamos brigando para que a ciência tenha uma postura de engrandecimento, porque sem ciência, a gente não vive”, declarou Maria Margarida de Melo, pesquisadora aposentada do Instituto de Botânica. Segundo ela, a situação é crítica nos três institutos da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo.

Elaine Viana Martins, assistente técnica de pesquisa do Instituto Geológico, disse que a participação na Marcha é a luta para garantir o futuro dos filhos e netos desta geração. “Vim para mostrar a importância da pesquisa científica, não só para o Estado do São Paulo, como para o País. Sem pesquisa séria, nada se faz. É importante que os pesquisadores pensem na carreira, na pesquisa. Estamos aqui lutando por todos. Sem nos manifestarmos, não teremos chances”, afirmou.

Processo de engajamento

Segundo o secretário regional da SBPC no Rio Grande do Sul, José Vicente Tavares, essa segunda Marcha Pela Ciência é parte de um processo de engajamento de toda a comunidade científica e sociedade com a política científica nacional que deve continuar e tomar corpo, especialmente pelas redes sociais. “O momento político é crítico. Por isso, além do número de participantes presentes à manifestação, foi importante ver a repercussão. Há um processo de comunicação que continua pelas redes sociais e nas instituições”, afirmou. Em Porto Alegre, a Marcha foi realizada no Parque da Redenção, com concentração no Monumento do Expedicionário e reuniu cerca de 100 pessoas, entre representantes da SBPC, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), do sindicato dos professores municipais, entre outros, além de deputados. Os participantes fizeram pronunciamentos, divulgando a situação grave que os cortes deixaram sobre as instituições.

“Esse tipo de manifestação é fundamental nesse momento para esclarecer a sociedade do tanto que a juventude será afetada. É preciso mostrar para a população que sem verbas não teremos universidades”, comentou Luiz Alves Ferreira, secretário regional da SBPC no Maranhão. Em São Luís, uma van levou alunos, pesquisadores e professores da UFMA à Praça da Lagoa, onde foi montado um telescópio, músicos se apresentaram e os organizadores distribuíram um manifesto público pela ciência à população que passava pela praça no sábado. “Imprimimos 400 manifestos, e todos foram entregues”, comemorou Ferreira. O documento, produzido pela SBPC-MA junto com o Laboratório de Divulgação Científica Ilha da Ciência, em parceria com a Associação dos Professores da Universidade Federal do Maranhão (Apruma) e o Centro de Cultura Negra do Maranhão (CCN/MA), alerta que os cortes para CT&I comprometem a educação, ciência e tecnologia e inovação, saúde e outras políticas públicas (leia o manifesto aqui).

“No sábado, essa manifestação em São Luís atingiu cerca de mil pessoas. Nosso objetivo é continuar com essas manifestações”, confirmou Ferreira.

Em Brasília, a Marcha foi convocada pela Secretaria Regional da SBPC no Distrito Federal e contou com a participação de cerca de 60 pessoas, conforme conta a conselheira da SBPC, Fernanda Sobral. A manifestação teve participação da ANPG, de funcionários do CNPq, da reitoria e pesquisadores da UnB, entre outros. “Falamos sobre os cortes e as previsões ainda piores para 2018. Como início, foi bom. O papel dessa primeira fase de manifestações foi demonstrar a gravidade da situação. Os pesquisadores falaram sobre os impactos sociais que a interrupção de seus projetos pode causar, foi muito informativo”, comentou, acrescentando que o movimento foi o início de uma série de mobilizações que devem ser realizadas daqui para frente.

*Com informações da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS).

 

Repercussão: sbq

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone