Nota de esclarecimento de Conselheiros da SBF

Publicado em 27/06/2012

Sociedade Brasileira de Física, em 26/06/2012

No final dos anos 70 e início dos 80, o CNPq conduziu a realização de estudos conhecidos como Avaliação e Perspectivas, cuja finalidade era levantar o estado de todas as áreas da ciência no Brasil, seus desafios e perspectivas. O CNPq tinha dirigentes e técnicos envolvidos na coordenação e apoio logístico para os estudos, mas eram membros da comunidade científica que faziam grande parte do trabalho. Para isto recebiam passagens e diárias para se deslocar para os locais das reuniões e trabalhavam na medida de suas disponibilidades de tempo. Naquela época o CNPq era uma fundação que tinha grande flexibilidade administrativa. Com o passar dos anos, ele perdeu a flexibilidade e aumentou muito o volume de suas operações com bolsas e auxílios e, com isso, perdeu a capacidade de fazer levantamentos e estudos prospectivos.

No final dos anos 80 a SBF tomou a si a tarefa de fazer levantamentos e estudos sobre a física no Brasil. Para isto solicitou e recebeu apoio financeiro do CNPq. Os livros “A Física no Brasil” e a “Física na Próxima Década”, publicados em 1989 e 1990, resultaram desse esforço. Eles foram feitos com sistemática semelhante aquela usada antes pelo CNPq, mas com todo o apoio logístico a cargo da secretaria da SBF, incluindo planejamento, montagem de comissões de voluntários, elaboração de questionários e envio (e penosa cobrança de resposta) a todas instituições que tinham atividade de pesquisa em física, reuniões de avaliação e redação dos documentos. Mais recentemente, a SBF reuniu voluntários que elaboraram os livros “Física para o Brasil” e “Física para um Brasil Competitivo”, publicados em 2005 e 2007 respectivamente.

Passaram-se anos, a ciência brasileira cresceu muito, CNPq e FINEP perderam a capacidade de fazer estudos, entre outra razões porque o ambiente de operação intensa não favorece a reflexão. Então, em 2001, o governo FHC resolveu criar uma agência específica para fazer estudos, avaliações, prospecção, etc. A idéia era ter um órgão distante da operação e com flexibilidade administrativa. Daí surgiu o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. Ele é um órgão do governo e da sociedade (e não apenas da sociedade como muitos atribuem), porque sem o governo ele não existiria. Mas, sendo uma Organização Social (natureza jurídica nova, pouco compreendida e ainda sob certos questionamentos), ele tem a flexibilidade de administração que não existe nos órgãos públicos brasileiros, mas que é encontrada em muitos órgãos governamentais do setor de C&T em outros países. É importante observar que o MCTI tem, sob sua gestão e supervisão direta, outras quatro OSs: o Instituto de Matemática Pura e Aplicada – IMPA, o Centro de Pesquisa em Energia e Materiais – CNPEM, sucedâneo do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron – LNLS, a Rede Nacional de Pesquisas – RNP, e o Instituto Mamirauá.

O CGEE, como as outras OSs do MCTI, é uma entidade cuja quase totalidade dos recursos é proveniente do governo e cuja aplicação tem fins específicos. Ele não acumula rendimentos. Seus dirigentes não recebem proventos proporcionais à receita, nem vantagens materiais por produtividade. Hoje o CGEE tem uma vasta produção de estudos e documentos e tem reconhecimento internacional como um “think tank”exemplar na área de C&T.

Depois de muitos anos sem fazer levantamentos e estudos sobre o estado da física no Brasil, a SBF decidiu fazer isto outra vez. No final de 2010 e início de 2011, este assunto foi discutido em reuniões da Diretoria e do Conselho e, para realizar os estudos, a Diretoria solicitou apoio financeiro ao MCT, que o concedeu através da FINEP (FNDCT). Ocorre que os entendimentos com o MCT foram feitos ao mesmo tempo em que a Diretoria da SBF solicitava recursos para realizar o Encontro da SBF de 2011, que foi uma grande reunião envolvendo todas as áreas da física, e que tradicionalmente realizam reuniões separadas nas cidades das estações de águas. O MCT decidiu então pelo apoio a realização dos estudos, condicionando a aprovação à ampliação do escopo, para prospectar a maior inserção da física brasileira na indústria, e também induzindo a que ele fosse realizado pelo CGEE.

A Diretoria da SBF resolveu promover o estudo “Mapeamento da Inserção da Comunidade de Físicos Brasileiros em Atividades Inovativas”, contratando o CGEE para tal, em vez de usar o voluntarismo (e certo amadorismo) de 20 anos atrás. Pesou também na decisão de contratar o CGEE o fato de não existir no Brasil outro órgão com esta capacidade na área de C&T.

Em vista de questionamentos públicos sobre a questão do financiamento do Estudo e do Encontro da SBF de 2011, alguns conselheiros solicitaram ao Presidente da SBF mais esclarecimentos sobre o Projeto FINEP e também a apresentação de uma prestação de contas. A Diretoria esclareceu que a maior parte (~R$ 730.000,00) dos R$ 1.200.000,00 recebidos foi destinada a despesas diretas com o Encontro da SBF de 2011 e apenas R$ 350.000,00 usados para a contratação do estudo feito pelo CGEE, conforme, segundo a diretoria, entendimentos com o MCTI e a FINEP. O restante foi utilizado para a impressão dos documentos pertinentes ao trabalho. Na realidade, em vista da falta de um programa de financiamento de eventos, por sugestão da própria FINEP o Encontro da SBF de 2011 fez parte do processo de mapeamento, com a apresentação para a comunidade dos dados preliminares, a divulgação e discussão do documento “Física 2011” elaborado pelas Comissões de Área, realização do Simpósio “Física na Indústria”, etc.

As propostas e etapas relacionadas a esse projeto foram apresentadas ao Conselho em tempo devido, antes da implementação de cada uma delas. As informações relevantes constam dos relatórios anuais de gestão 2010 e 2011, que foram aprovados nas assembléias gerais da SBF e disponibilizados na página da Sociedade.

Os conselheiros que subscrevem esta nota consideram que, dentro do que foi contratado, o CGEE fez um bom trabalho de prospecção para a SBF. Todas informações de que dispomos indicam que os dirigentes do CGEE e seus técnicos não se beneficiaram materialmente do contrato feito com a SBF. Acreditamos que a realização de um Encontro unindo todas as áreas representadas pelas comissões temáticas da SBF e o “Mapeamento da Inserção da Comunidade de Físicos Brasileiros em Atividades Inovativas”, constituem contribuições valiosas para a Física Brasileira.

26 de junho de 2012

Luiz Davidovich
Marcia Cristina Barbosa
Marcos Pimenta
Maria Emília Xavier Guimarães
Paulo A. Nussenzveig
Sergio Machado Rezende
Silvio Salinas
Sylvio Canuto

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone