Nasa: descoberto primeiro exoplaneta habitável do tamanho da Terra

Publicado em 23/04/2014
Veja, em 17/04/2014

Planeta foi descoberto pelo telescópio Kepler, lançado ao espaço para localizar zonas habitáveis fora do Sistema Solar (NASA Ames/SETI Institute/JPL-CalTech)

Pesquisadores da Universidade Estadual de São Francisco, nos Estados Unidos, anunciaram a descoberta de um novo planeta rochoso com grandes chances de ter água líquida — e vida — em sua superfície. O achado foi publicado nesta quinta-feira na revista Science.

Chamado de Kepler-186f, o planeta foi localizado pelo telescópio Kepler, da Nasa, que foi lançado ao espaço em março de 2009 com o propósito de procurar zonas habitáveis e planetas com dimensão semelhante à da Terra fora do nosso Sistema Solar.

São considerados habitáveis planetas que mantêm a maior parte de sua água em estado líquido — elemento que os astrônomos consideram fundamental para a existência de vida extraterrestre. “É lógico que não sabemos se existe, realmente, vida nessas zonas. Partir dessa premissa, porém, é importante para concentrarmos as nossas buscas”, diz Stephan Kane, professor de física e astronomia da Universidade Estadual de São Francisco.

O Kepler-186f orbita uma estrela anã chamada Kepler-186, localizada a cerca de 500 anos-luz do nosso sistema solar, e é, dentre os exoplanetas localizados em zonas habitáveis, o primeiro com tamanho e densidade parecidos com os da Terra. “Uma vez que se sabe a densidade de um planeta, podemos calcular se ele é rochoso ou não”, afirma Kane. O Kepler-186f se distancia dos grandes planetas gasosos, que, por causa da grande massa, acumulam gás de hidrogênio e hélio na atmosfera.

Outra peculiaridade do Kepler-186f é a sua rotação, parecida com a da Terra. “Planetas encontrados anteriormente têm apenas uma face voltada para a estrela e a outra para a escuridão. O Kepler-186f deve ter, portanto, uma temperatura bem distribuída na sua superfície”, diz Douglas Galante, pesquisador do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, em Campinas, e do Núcleo de Pesquisa em Astrobiologia da USP. “Esse é o planeta mais promissor já encontrado e merece ser estudado por outras técnicas para aprendermos melhor sobre suas características.”

Galante ressalta que o anúncio do Kepler-186f é um avanço natural das pesquisas na área e que outras descobertas devem ser feitas. “O Kepler-186f deve ser o primeiro de muitos planetas com condições promissoras para a existência de vida que serão encontrados por esses novos telescópios.”

Atualmente, apenas a Terra tem condições óbvias de vida no Sistema Solar. Marte, no entanto, já teve, há bilhões de anos, água e uma atmosfera espessa. Os astrônomos já mostraram, também, que as luas Europa, de Júpiter, e Enceladus, de Saturno, têm oceanos ou grandes lagos de água líquida sob sua superfície congelada, indícios de condições adequadas para alguns tipos de vida.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone