MBE é aberto à comunidade científica

Publicado em 10/03/2018
Sistema para formação de filmes finos semicondutores recebe propostas de pesquisa

O Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano) passou a disponibilizar em janeiro de 2018 o sistema Molecular Beam Epitaxy (MBE) a pesquisadores de todo o Brasil e exterior. Voltado principalmente a áreas de pesquisa em óptica e eletrônica, o equipamento permite a formação de filmes finos semicondutores. As submissões de propostas de pesquisa devem ser feitas por meio do Portal de Usuários do CNPEM.

O sistema de MBE consiste em uma câmara de crescimento epitaxial, onde uma fina camada cristalina de um elemento é depositada sobre um substrato escolhido, com precisão de átomos. A técnica permite o desenvolvimento integral de filmes finos semicondutores, em estruturas heterogêneas complexas. O equipamento possui, ainda, um modo de imagens por difração in-situ, para o acompanhamento do crescimento da estrutura.

No estágio atual de desenvolvimento, o MBE disponibilizado pelo LNNano tem capacidade para trabalhar com elementos químicos dentro dos grupos III e V, da tabela periódica, que incluem: arsênio, gálio, índio e alumínio. Os materiais resultantes do processo auxiliam os estudos de física teórica, bem como em áreas de óptica e óptica quântica.

Pesquisadores interessados em utilizar o equipamento para projetos em outras áreas do conhecimento podem consultar a equipe técnica do Laboratório de Ciência de Superfícies (LCS) do LNNano, que gerencia o sistema. Todas as propostas e devem ser enviadas pelo Portal de Usuários do CNPEM, a fim de reservar as horas de uso no equipamento. O LNNano oferece, ainda, suporte técnico durante o crescimento das estruturas e treinamento para o uso do equipamento.

O MBE foi instalado no Laboratório de Ciência de Superfícies (LCS) do LNNano ainda em 2015. O sistema conta com apoio financeiro do Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (SisNANO), FAPESP e CNPq. O sistema é coordenado em parceria com o Prof. Christoph Denneke, docente do Instituto de Física “Gleb Wataghin” (IFGW) da Unicamp e colaborador do LNNano como supervisor científico do MBE.