Gasto com a Copa também gera reclamações entre cientistas

Publicado em 26/07/2013

Deutsche Welle, em 26/07/2013

O primeiro laboratório nacional com tecnologia mais moderna do mundo assustou pelo valor, mas vai custar menos que um estádio. Para chefe da SBPC, Helena Nader, é a ciência a chave para o desenvolvimento do Brasil.

Reunidos em Recife até esta sexta-feira (26/07), pesquisadores brasileiros discutem como fazer a ciência avançar no país, no 63º encontro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, SBPC. Helena Nader, bióloga, cientista há mais de 30 anos e presidente da instituição desde 2011, não quer tirar recursos dos esportes, só quer ser tratada da mesma forma.

Em entrevista por telefone, ela diz que educação básica no Brasil é “muito ruim”, mas que, na universidade, país forma pesquisadores competitivos, que quase nunca retornam ao país depois de uma temporada de estudos no exterior.

DW Brasil: Qual a maior preocupação da sociedade científica no Brasil de hoje?

Helena Nader: É a legislação vigente hoje para ciência. Nós estamos sob uma lei que não é voltada para ciência: é uma lei geral, voltada para compras no sistema público. Para se comprar qualquer equipamento, ou reagentes, é necessário fazer pregão, diversas licitações… E às vezes é preciso comprar um equipamento para uma determinada pesquisa. São legislações que estão travando e burocratizando toda a ciência brasileira. É o maior entrave na vida do pesquisador.

Nós temos problemas no sistema de importação – as importações acabam levando meses, em alguns casos até um ano. Eu acho que é fantástico o que o Brasil já conseguiu fazer na ciência apesar de todo o esforço para o país não andar para frente.

As universidades brasileiras são competitivas em relação às demais?

Não. Ainda estamos aquém do que o Brasil precisa. Precisamos de muito mais investimento. Nos últimos 10 anos, o Brasil começou a fazer o que na Europa e nos Estados Unidos já é uma tradição: laboratórios nacionais ou interpaíses. Ou seja, em vez de se ter um equipamento de grande porte localizado para um grupo, esse equipamento fica disponível nos chamados laboratórios nacionais.

O primeiro grande exemplo que deu certo no Brasil foi o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS). Ao redor dele cresceram outros laboratórios nacionais, como o de Nanotecnologia, o de Bionergia… Estamos discutindo a construção de outros, não se pode concentrar tudo em uma região. Pensamos que o desenvolvimento tem que atingir a inclusão social, então ele precisa acontecer em todas as regiões do país.

Esses laboratórios nacionais podem levar o Brasil a um novo patamar?

Sem dúvida, assim como o Brasil pautou a agricultura tropical – e eu digo isso com muita felicidade, que nós somos os melhores. Ninguém acreditava que o solo do cerrado servisse para plantação de soja. Mas com pesquisa e tecnologia provou-se o contrário. Hoje o país produz soja com alta produtividade.

Isso foi a ciência: houve um investimento na Embrapa, nas universidades e escolas de agronomia. Nós queremos agora agregar valor aos produtos brasileiros. No caso da soja, por exemplo, ainda exportamos apenas os grãos. Mas temos uma agricultura que permitiu mudar o padrão de alimentação do povo brasileiro, que hoje tem uma mesa muito mais farta. Na década de 60 o leite tinha que ser importado!

Houve uma mudança via ciência, e o Brasil está reconhecendo isso. Mas precisamos melhorar. A educação pública básica ainda está muito ruim e o país reconhece isso. Mas o Estado brasileiro incorporou que é fundamental ter a ciência como aliada para dar um salto econômico.

A senhora apoia a participação do Brasil em grandes projetos internacionais milionários, como o Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), que poderia custar até 255 milhões de euros em dez anos ao país?

Não acho uma contradição que o Brasil queira fazer parte. A aprovação dependende do Congresso Nacional. É um grande investimento. É muito mais que o gasto no LNLS que ainda está sendo construído. Mas acho que o Brasil tem que entrar. Tudo o que fará o país avançar na ciência, obviamente, vai receber o apoio da SBPC.

Mesmo que o país tenha ainda tanto o que fazer, por exemplo, na educação básica?

Eu sei. Mas isso não quer dizer que o Brasil agora só tenha que investir em educação básica. Porque isso seria cometer erros do passado. Demorarmos muito para atingir o padrão que temos hoje. Eu não posso só investir em um ponto e esquecer o resto. O que falta no Brasil é a iniciativa privada acreditar que precisa investir em ciência. Também faltam doações, o que é muito comum na Europa e nos Estados Unidos.

A gente lutou muito para os recursos do Pré-Sal fossem investidos em educação. Nós defendemos que os royalties devem ser investidos da seguinte maneira: 70% para ensino básico, 20% para o superior e 10% para ciência e tecnologia. Ainda não desistimos.

De onde poderiam vir os recursos para o ESO?

O país tem recursos. Um país que decidiu que vai ser sede da Copa do Mundo e que constrói tantos estádios… Alguns gastos são mais elevados que a construção da linha de luz sincroton, que será a mais moderna do mundo. Para atender às especificidades internacionais, o projeto do LNLS está orçado em 650 milhões de reais. Ou seja, menos que um estádio de futebol.

Eu não quero tirar dos esportes, acho que o esporte importante, ele constrói cidadania. Mas eu quero ser tratada igual, só isso. A presidente Dilma tem feito um discurso que mostra que ela está acreditando em ciência.

A senhora está falando do Ciência sem Fronteira? Como a senhora mesmo disse, muitos estudantes vão para o exterior e não voltam. Vai chegar o momento em que o Brasil vai brigar para recrutar todos esses cientistas de volta?

Eu acho que o programa Ciência sem Fronteira vai dar um grande impacto no país. Eu espero estar viva e com a cabeça boa para, daqui a dez anos, poder falar sobre esse impacto. Falei para a presidente: ” – A senhora foi muito criticada porque o programa aconteceu muito rápido. Mas se a senhora tivesse tentado montar o programa perfeito nunca teria começado. A senhora fez o que devia, montou e agora está trocando pneu com o carro andando.”

Agora, eu adoraria que o Brasil se preocupasse em recrutar os cientistas brasileiros espalhados pelo mundo. Mas ainda vai levar um tempo. Eu seria leviana se dissesse que isso já está para acontecer. Nós temos que melhorar muito. Se a legislação não mudar, se não resolvermos os problemas para importar e a infraestrutura, e se não tivermos os laboratórios nacionais, o indivíduo que está hoje produzindo na Europa e nos Estados Unidos não vai querer voltar.

É um processo. Se tivermos um projeto de Estado, e não de governo, a gente poderá mostrar um novo panorama, com uma legislação pró-ciência. Podemos oferecer o sol que brilha o ano todo, a ausência de terremotos, um país que recebe todos de braços abertos e convidar todos para vir fazer ciência aqui.

Repercussão: Terra, Jornal da Ciência, FAPEAM,

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone