Diplomacia científica no Oriente Médio

Revista Pesquisa FAPESP em setembro de 2016

LINKhttp://revistapesquisa.fapesp.br/2016/09/23/diplomacia-cientifica-no-oriente-medio/

O Synchrotron-light for Experimental Science and Applications in the Middle East (Sesame), a primeira fonte de luz síncrotron do Oriente Médio, em construção na Jordânia, deverá entrar em operação em dezembro deste ano. O anúncio foi feito por Chris Llewellyn Smith, presidente do Conselho do Sesame, em evento realizado em julho no Reino Unido. Segundo o físico, em breve será divulgada uma primeira chamada de projetos que privilegiem o uso de radiação para investigar átomos e células. O Sesame é considerado um marco da diplomacia internacional, já que o projeto é fruto de uma cooperação entre Bahrein, Chipre, Irã, Israel, Jordânia, Paquistão, Palestina e Turquia. “Trata-se da única iniciativa, depois da Organização das Nações Unidas [ONU], que coloca Israel e Irã na mesma sala”, disse Llewellyn Smith ao site SciDev.net. O equipamento poderá ser utilizado por pesquisadores de diversas áreas, incluindo biologia, química, geologia, medicina e arqueologia.  “Esse projeto mostra que a ciência é uma ótima maneira de estabelecer relações diplomáticas e superar barreiras políticas”, afirma o físico brasileiro Antonio José Roque da Silva, diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas. Anos atrás, o LNLS recebeu e treinou três pesquisadores do Oriente Médio ligados ao Sesame para trabalhar com luz síncrotron.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone