Dilma firma série de acordos na primeira visita à Argentina

Publicado em 01/02/2011

Portal Terra, em 31/01/2011

A presidente brasileira, Dilma Rousseff, assinou nesta segunda-feira 14 acordos e outros documentos conjuntos com sua colega argentina, Cristina Fernández, entre os quais destacam convênios de integração em matéria energética e fronteiriça.

Em sua primeira visita à Argentina, Dilma chegou a um acordo com Cristina para criar uma comissão bilateral de cooperação e desenvolvimento fronteiriço, além de acertar a construção de uma ponte entre a cidade argentina de San Pedro e a brasileira de Paraíso sobre o rio Iguaçu.

Além disso, ambas as governantes rubricaram um acordo de cooperação entre a Comissão Nacional de Energia Atômica (CNEA) da Argentina e a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) do Brasil para destinar os reatores de pesquisa dos dois países às mesmas aplicações com fins pacíficos.

Em uma extensa declaração conjunta que repassa a relação bilateral, Dilma e Cristina lembraram que a cooperação nuclear “constitui um patrimônio comum irrenunciável da associação estratégica entre Argentina e Brasil”.

As chefes de Estado também comemoram os avanços no projeto para construir a usina hidrelétrica binacional Garabi, obras cuja licitação foi iniciada neste mês.

Argentina e Brasil renovaram nesta segunda um memorando de entendimento sobre troca de energia elétrica e assinaram outro para promover a produção e o uso da bioenergia e os biocombustíveis.

Além disso, as presidentes assinaram outros dois memorandos, um de entendimento para a promoção comercial conjunta e outro de cooperação em planejamento urbano e casas, além de um plano de ação conjunta até 2015 para avançar na cooperação bilateral na área de massificação do acesso a internet de banda larga.

Além disso, foi assinado um convênio para a troca de experiências entre o Ministério do Planejamento argentino e a Caixa Econômica Federal e um memorando de entendimento entre os Ministérios de Ciência e Tecnologia para a cooperação no desenvolvimento de “luz de síncrotron”.

Por fim, Dilma e Cristina acertaram a criação de uma farmacopeia em nível regional, uma declaração conjunta sobre a promoção da igualdade de gênero e a proteção dos direitos das mulheres e outra sobre a exploração dos recursos hídricos compartilhados no rio Uruguai e seu afluente Pepirí Guazú.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone