CTBE trabalha para alcançar o máximo do potencial da cana

Publicado em 17/02/2016
CanaOnline, 17/02/2016

Camila Caldana: marcador que consiga predizer a performance da variedade no campo

Camila Caldana: marcador que consiga predizer a performance da variedade no campo

A cana, do ponto de vista agronômico, produtivo, é das plantas que mais conseguem converter a energia solar em bioprodutos

Um espaço que tem contribuído muito em criar, para a cana-de-açúcar, uma fonte para o futuro é o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol, do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CTBE/CNPEM).

Sediado em Campinas, o laboratório congrega várias linhas de pesquisas, realizadas por especialistas de diferentes áreas, inclusive com diálogo com outras instituições e empresas. Desenvolve, por exemplo, algumas frentes de estudos voltados ao etanol de segunda geração.

Em biotecnologia, uma referência do CTBE é a bióloga Camila Caldana. “A cana, do ponto de vista agronômico, produtivo, é das plantas que mais conseguem converter a energia solar em bioprodutos. Tem um grande potencial. Em biotecnologia, trabalhamos para chegar ao máximo desse potencial.”

No CTBE, ela tem se dedicado a identificar outras rotas biotecnológicas que são importantes para alguns parâmetros de produtividade, como identificar como é direcionado o carbono dentro da planta. O objetivo é definir o que vai, deste carbono, para a sacarose e o que vai para a produção de biomassa. “Aí sim tentar modular a ação dessa proteína, passando a aplicar esta molécula para ver se realmente vai virar o metabolismo para maior produção de sacarose, sem precisar chegar à cana transgênica para isso.”

Com algumas parcerias, Camila tem um projeto em andamento com marcador molecular metabólico. “O objetivo é que seja uma nova forma de marcador. É como se fosse uma impressão digital, mas do metabolismo da planta, e que seria uma ferramenta para programas clássicos de melhoramento de cana-de-açúcar.”

Características como acúmulo de biomassa e de sacarose, que são importantes do ponto de vista da produção, dependem do metabolismo da planta. “Estamos tentando usar marcador que consiga predizer a performance da variedade no campo quanto a essas características. Assim conseguimos saber se a planta é promissora ou não quando ainda estão pequenas, encurtamento o tempo e os recursos gastos com a pesquisa.”

Num trabalho com alguns genótipos em parceria com a RIDESA, ela conseguiu predizer quais brotam melhor. “Inicialmente trabalhamos com 20 genótipos, mas agora estamos expandindo a base de dados. Acredito que no máximo em um ano teremos resultados.” Segundo Camila, o interessante é que o marcador metabólico está um pouco mais próximo da característica final da planta (fenótipo) que se quer no campo.

Confira matéria completa na editoria Capa, edição 29 darevista Digital CanaOnline. No site www.canaonline.com.br você pode visualizar as edições da revista ou baixar grátis o pdf.
Mas se quiser ver a edição com muito mais interatividade ou tê-la à disposição no celular, baixe GRÁTIS o aplicativo CanaOnline para tablets e smartphones – Android ou IOS.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone