CNPEM discute com MIT implantação de laboratório internacional

Publicado em 23/07/2013

Portal MCTI, em 19/07/2013

Grandes ideias para mudar o mundo. Isso é o que move o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), segundo o diretor do MIT Energy Initiative, Robert Armstrong. Referência mundial na pesquisa tecnológica, com mais de 300 empresas geradas a partir de tecnologias próprias de 1984 para cá, o MIT agora volta suas atenções para o Brasil nos estudos sobre energia e materiais.

Armstrong e outros pesquisadores da instituição participam do Brazil-MIT Workshop on Materials & Energy, que teve início na quarta-feira (17) e se encerra nesta sexta-feira (19) em Campinas (SP). O evento promovido pelo Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) tem como objetivos principais desenvolver o conceito do futuro Laboratório Internacional de Energia e Materiais (Lime) e discutir possibilidades de colaboração entre pesquisadores brasileiros, do MIT e de outras instituições com experiências similares.

A ideia, segundo o coordenador do projeto Energy and Material International Laboratory, o físico Marcelo Knobel, é que o Lime seja um laboratório multidisciplinar de padrão internacional, com uma agenda de projetos na fronteira da pesquisa científica em quatro temas principais: materiais para energia; conversão de biomassa; biologia sintética; e ciências, tecnologias e políticas do meio ambiente.

O laboratório não terá instalações experimentais. Ele servirá como um centro aberto onde atuarão pesquisadores visitantes, pós-graduandos e pós-doutores de diferentes lugares do mundo. O Lime deve contar também com um espaço apropriado para discussões em grupo, seminários, oficinas, apoio à inovação e debates em torno dos temas prioritários definidos pelo seu conselho consultivo.

Knobel explica que a expectativa é implantar o Lime no campus do CNPEM, que hoje reúne quatro laboratórios nacionais: de Luz Síncrotron (LNLS), de Biociências (LNBio) e de Nanotecnologia (LNNano). “Além de aproveitar a sinergia com os laboratórios do CNPEM, buscamos criar no Lime um ambiente no qual o pesquisador possa realizar suas pesquisas livre de burocracia. Prestação de contas de projetos e outras questões administrativas ficarão a cargo da equipe interna do laboratório”, ressalta. Outro diferencial é a maior flexibilidade e agilidade do CNPEM para contratar pesquisadores e outros profissionais.

O Workshop Brazil-MIT serve para os pesquisadores convidados discutirem ideias e consolidarem propostas de pesquisas conjuntas nas quatro áreas temáticas do Lime

Além de Armstrong, a cerimônia de abertura do evento teve a presença do secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Alvaro Prata; do Reitor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar, parceira do Lime), Targino de Araújo Filho; e do diretor-geral do CNPEM, Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho.

Sobre o CNPEM

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais é uma organização social qualificada pelo MCTI para gerir quatro laboratórios nacionais: o LNLS, que opera a única fonte Síncrotron da América Latina e um conjunto de instrumentações científicas para análise dos mais diversos tipos de materiais, orgânicos e inorgânicos; o LNBio, que desenvolve pesquisas em áreas de fronteira da Biociência, com foco em biotecnologia e fármacos; o CTBE, que investiga novas tecnologias em bioenergia, com ênfase na produção do etanol de primeira e segunda geração; e o LNNano, que realiza investigações com materiais avançados e é sede do Centro Binacional Brasil-China de Nanotecnologia.

Os quatro laboratórios têm suas instalações abertas às comunidades acadêmica e empresarial, do Brasil e do exterior. Em 2012, mais de 1.800 pesquisadores utilizaram suas instalações para realizar cerca de 900 propostas de pesquisas, que resultaram na publicação de 228 artigos em periódicos científicos indexados.

Texto: Ascom do CNPEM

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone