Cientista Brasileiro é condecorado com o Dale Sayers Award

Publicado em 22/09/2015
Pela primeira vez, prêmio vai para cientista da América Latina

 

Narcizo, pesquisador do LNLS, recebe prêmio Dale Sayers

Narcizo M. Souza Neto, pesquisador do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), recebeu o prêmio Dale Sayers, concedido a cada três anos pela Sociedade Internacional de Absorção de Raios-X (IXAS, da sigla em inglês). A premiação aconteceu durante a XVI Conferência Internacional de Estrutura Fina de Absorção de Raios-X (XAFS16) no fim de agosto, na cidade de Karlsruhe, Alemanha.
É a primeira vez que um cientista da América Latina recebe a premiação, uma das mais importantes do mundo na área de Espectroscopia por Absorção de Raios-X (XAS). O prêmio é dado em reconhecimento a jovens pesquisadores de destaque por suas contribuições experimentais usando XAS. Especificamente, a premiação foi concedida por suas “contribuições para o desenvolvimento de XAS para estudos de matéria sob condições extremas”.

Narcizo M. Souza Neto: Pesquisador do LNLS desde 2010, Souza Neto trabalha no desenvolvimento de instrumentação para o uso de técnicas de radiação sincrotron sob condições extremas, como altas pressões. Também participa ativamente no desenvolvimento de linhas de luz para o Sirius, futura nova fonte de luz sincrotron, já em construção no LNLS.

 

Sobre o LNLS
O Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), uma organização social qualificada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Localizado em Campinas (São Paulo), o LNLS é responsável pela operação da única fonte de luz sincrotron da América Latina, aberta ao uso das comunidades acadêmica e industrial. O sincrotron brasileiro possui hoje 18 estações experimentais – chamadas linhas de luz –, voltadas ao estudo de materiais orgânicos e inorgânicos por meio de técnicas que empregam radiação eletromagnética desde o infravermelho até os raios X.
O LNLS está neste momento construindo o Sirius, uma fonte de luz sincrotron de quarta geração, planejada para ser uma das mais avançadas do mundo. Sirius abrirá novas perspectivas de pesquisa em áreas como ciência dos materiais, nanotecnologia, biotecnologia, física, ciências ambientais e muitas outras.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone