Campinas: Polo de energia renovável

Jornal de Campinas. em 1/12/2015

 

Podemos ter um polo industrial de energia renovável em Campinas? Sim, podemos.  Podemos se quisermos, e sem dúvida queremos! O Campetro – Campinas Energy, realizado recentemente pelo Ciesp-Campinas e Fiesp, comprovou essa afirmação, com uma participação maciça de todos os segmentos ligados à produção de energia, além de representantes dos setores governamentais, tanto federais, como estaduais e municipais. Nossa região já consegue atrair algumas grandes indústrias do setor ecoenergético e de produção de baterias de ultima geração que comprovam que é sim, possível armazenar, não o vento, ou a luz, mas a energia produzida por essas fontes geradoras cada vez com mais eficiência e por maior período de tempo.

O projeto do carro elétrico autônomo, do grupo francês Peugeot Citroen, movido a eletricidade e que dispensa o motorista, está sendo implantado no Techno Park de Campinas. A empresa chinesa BYD, maior fabricante mundial de baterias automotivas e para celulares de alta performance do mundo, aqui instalou sua fábrica de painéis solares para produção de energia fotovoltáica, baterias  e veículos elétricos. Já temos hoje circulando por Campinas, dez ônibus elétricos e alguns taxis produzidos localmente pela BYD.

A Globo Brasil, maior produtora brasileira de painéis solares, instalou sua nova fábrica na cidade de Valinhos, na Região Metropolitana de Campinas.

A empresa americana Amyris, instalada no Techno Park de Campinas, desenvolve e produz biodiesel e bioquerosene de aviação através da biomassa de cana de açúcar, utilizando leveduras geneticamente modificadas no processo de fermentação.

O CTBE – Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol, em Campinas, atua em avançados processos de pesquisa e desenvolvimento na área de produção de energia a partir de biomassa, em especial o etanol da cana de açúcar.

Nossos Institutos de Pesquisa, especialmente o CPQD tem avançado no desenvolvimento de baterias, painéis solares e projetos de energia sustentável inovadores.

A CPFL implantou uma estação de produção de energia fotovoltáica no bairro do Tanquinho, em Campinas e está projetando uma rede de postos de abastecimento para veículos elétricos em vários pontos da cidade, viabilizando essa opção sustentável de mobilidade urbana.

Temos tecnologia de ponta em energia renovável gerada por nossas universidades e institutos de pesquisa. Temos nossos parques tecnológicos engajados nesse projeto. Temos vontade política e o comprometimento do prefeito de Campinas, Jonas Donizetti, do Secretário de Desenvolvimento Econômico, Samuel Rossilho e sem dúvida o total envolvimento e participação do Ciesp no desenvolvimento dessa cadeia produtiva, inovativa, sustentável e altamente geradora de emprego e riqueza. Não vamos perder essa oportunidade histórica de desenvolver essa nova vocação para nossa região, criando mais uma rica cadeia produtiva e o sucesso do Campetro Energy e uma constatação de que esse momento chegou.

Somos a cidade do conhecimento, dispomos de desenvolvimento tecnológico, inovação e alta qualificação de mão de obra, logística fantástica, infraestrutura invejável, mas tudo isso ainda não é suficiente para atrair empresas envolvidas em projetos de produção de energia sustentável. É necessária a criação de incentivos fiscais, não só para essa área produtiva, mas também para produtos finais que utilizem energia renovável, como os veículos elétricos, que atualmente pagam mais impostos que os movidos a combustíveis fósseis. Veículos movidos a energia renovável deveriam ter redução no IPI e no IPVA. Painéis solares, geradores eólicos e baterias para armazenamento também deveriam sofrer isenções e reduções tributárias.

Empresas fabricantes de equipamentos para produção de energia limpa e sustentável, assim como sua cadeia produtiva, deveriam ser atendidas por isenções tributárias na sua implantação, tanto em nível federal, como estadual e municipal. Há que se criar um diferencial que atraia essas novas tecnologias para nosso País e principalmente para a Região Metropolitana de Campinas, que já oferece todas as demais condições para recebê-las.

O Ciesp-Campinas estará sempre aberto e disponível a receber as empresas do setor de energia sustentável, para apoiá-las em sua implantação e acompanhá-las, sempre, durante seu caminho, colocando a seu serviço a força da maior entidade industrial do País.

 

*José Nunes Filho é diretor titular do Ciesp-Campinas.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone