Alternativas às gorduras trans são pesquisadas no LNLS

Publicado em 21/10/2015
MCTI em 16/10/15

Pesquisadores da Universidad de Buenos Aires e Universidad Nacional de San Martín, na Argentina, e da Utah State University, nos Estados Unidos, utilizaram as estações experimentais de espalhamento de raios-x do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) para investigar as propriedades de gorduras extraídas de um tipo particular de óleo de girassol como substitutas das gorduras trans em produtos alimentícios industrializados.

As gorduras vegetais hidrogenadas, por serem de origem vegetal, são livres de colesterol. Mas elas contêm gorduras trans, apontadas como causadoras não só do aumento dos níveis de LDL, o “colesterol ruim”, como também da diminuição do HDL, o “colesterol bom”. Por isso, a utilização das gorduras trans têm sido alvo de restrições e proibições ao redor do mundo.

Para acompanhar este processo de cristalização, os pesquisadores utilizaram a técnica SAXS (sigla em inglês para Espalhamento de Raios-X a Baixos Ângulos) na linha de luz SAXS1 do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron. Segundo a pesquisadora correspondente, Maria Lidia Herrera, “SAXS é a melhor escolha quando o material é de baixa cristalinidade. A única forma de acompanhar a transição polimórfica da gordura em tempo real é usando uma fonte de luz sincrotron, já que os padrões de espalhamento podem ser obtidos em 10 segundos. Não é possível realizar esses experimentos com fontes de raios-X comuns de cobre”.

Saiba mais, clicando aqui.

Repercussão: NIT Mantiqueira

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone