A aposta do superacelerador

Publicado em 09/08/2017
Revista Piauí, em agosto de 2017

POR BERNARDO ESTEVES

Quando pesquisadores apontam novos instrumentos científicos para objetos familiares, às vezes se deparam com um mundo povoado por criaturas de cuja existência eles sequer suspeitavam. Foi assim quando Galileu Galilei apontou seu telescópio para Júpiter, no começo do século XVII, e constatou que o planeta também tinha luas. Com isso ele desencadeou uma nova percepção do Sistema Solar e de todo o cosmo. Também naquele século, o holandês Antonie van Leeuwenhoek observou uma gota d’água ao microscópio e, pela primeira vez, viu microrganismos vivos, que ele chamou de animálculos (a observação é considerada um marco simbólico do início da microbiologia).

A história tem outros casos que mostram como o aprimoramento das técnicas permitiu aos cientistas grandes saltos em sua compreensão do mundo em que vivemos. Está em construção em Campinas um grande acelerador de partículas que nasce com uma expectativa parecida de desbravar terrenos desconhecidos. Trata-se do Sirius, o mais grandioso e mais sofisticado equipamento científico já construído no Brasil e uma das melhores máquinas do mundo em seu gênero. Equipado de instrumentos científicos desenhados para explorar novas propriedades dos materiais, o Sirius tem o potencial de capacitar cientistas brasileiros a realizar experimentos na fronteira do conhecimento.

Orçado em 1,8 bilhão de reais e bancado pelo governo federal, o Sirius começou a ser construído no início de 2015 e deve começar a funcionar no ano que vem – desde que os recursos prometidos para a conclusão da obra sejam liberados em tempo. Para chegar a um bom fim, o projeto depende de verbas suplementares de aproximadamente 1,2 bilhão de reais até 2020.

Sua peça central é um anel circular de 518 metros de circunferência nos quais elétrons serão impulsionados a uma velocidade praticamente igual à da luz, da ordem de 300 mil quilômetros por segundo.

A radiação emitida pelos elétrons acelerados permitirá “enxergar” em escala molecular e atômica materiais de todo tipo – proteínas, ligas metálicas, semicondutores, polímeros, fibras ópticas, fósseis. O Sirius vai atuar como se fosse um microscópio superpoderoso, com a vantagem de ter configurações muito superiores às dos equipamentos disponíveis na maioria dos laboratórios.

O físico paulista Antônio Roque da Silva, o responsável por coordenar a construção do acelerador, aposta que o Sirius colocará noutro patamar a qualidade da produção dos pesquisadores do país. “O Brasil pode assumir a liderança na nova ciência que pode sair desse salto de qualidade inclusive com coisas que podemos ser os primeiros a fazer.” Ele espera que a máquina atraia alguns dos melhores grupos do mundo que trabalham nesse tipo de aceleradores. “Será o vetor de internacionalização mais marcante da ciência brasileira”, vaticinou.

Roque, como é chamado por seus colegas, explicou numa entrevista em seu gabinete que as configurações do Sirius foram definidas em função das perguntas que os cientistas gostariam de responder com aquela máquina. O projeto do acelerador prevê a instalação de equipamentos científicos que permitirão atacar questões estratégicas para a ciência brasileira – temas ligados ao agronegócio, às ciências da saúde ou às energias alternativas, por exemplo.

“Quero melhores baterias, os carros elétricos do futuro, os materiais leves e resistentes dos próximos aviões e carros, mas quero também entender a recuperação de solo, os problemas de meio ambiente e poluição, a dessalinização de água”, enumerou Roque. “Esse é o tipo de perguntas que esse tipo de acelerador tem ajudado a responder, e é isso que o Sirius vai permitir fazer.”

 

plano de construir um acelerador de elétrons de ponta é discutido pelo menos desde 2008, mas foi em 2009, no segundo mandato de Lula, que o Ministério da Ciência e Tecnologia embarcou na ideia, liberando os primeiros 2 milhões de reais para o desenvolvimento do projeto. Sopravam outros ventos políticos e econômicos naquele momento. Os cientistas também se beneficiaram das condições favoráveis dos anos 2000, a década em que o Brasil descobriu o pré-sal, e o Cristo Redentor decolou como um foguete na capa da Economist. O período foi marcado por um aumento notável de recursos para a ciência, pela criação de novas universidades e por uma fartura de bolsas de pesquisa e editais de financiamento.

O investimento se traduziu no incremento da produção científica. Entre 1993 e 2013, o número de artigos publicados por pesquisadores brasileiros aumentou quase oito vezes, fazendo com que o Brasil saltasse de 24º a 13º país com mais artigos publicados, segundo um levantamento da Thomson Reuters, gigante da informação científica. Com quase 43 mil artigos publicados em 2013, o Brasil respondia então por 2,5% da produção científica mundial – percentual próximo aos 2,37% da parcela do pib brasileiro na economia global.

Os repasses do governo federal para o Sirius aumentaram ano a ano desde que o governo federal decidiu bancar o projeto, em 2009. Três anos depois, já no primeiro mandato de Dilma Rousseff, o projeto ganhou rubrica própria no orçamento da União e os recursos se avultaram. “O total repassado até 2016 foi de 612,3 milhões de reais”, disse Antônio Roque da Silva.

Não há dúvida de que o Sirius é um projeto extraordinário no panorama da ciência brasileira – do ponto de vista orçamentário, inclusive. Enquanto os recursos para o acelerador só fizeram aumentar desde 2009, o mesmo não se pode dizer do orçamento do Ministério da Ciência, em queda franca há quatro anos.

A lei orçamentária anual previu 5,049 bilhões de reais para a área em 2017 – praticamente a metade do valor anunciado para 2013. Já era o pior orçamento da pasta em quase uma década, mesmo sem se levar em conta a depreciação pela inflação – isso antes de o ministro da Fazenda Henrique Meirelles anunciar, no fim de março, o bloqueio de 42 bilhões do orçamento da União para 2017. Os cortes foram especialmente severos para o Ministério da Ciência, Tecnologia, Informações e Comunicações, que teve 44% dos recursos contingenciados. Seu orçamento acabou ficando ainda mais parco, chegando a 2,83 bilhões de reais.

Desde o ano passado, quando a construção do Sirius foi incorporada ao Plano de Aceleração do Crescimento, o PAC, os recursos para o projeto já não estão mais atrelados ao orçamento do ministério. O PAC também teve quase 42% de seus recursos contingenciados por Meirelles, mas a parcela destinada à continuidade das obras do Sirius foi assegurada. “O contingenciamento não irá comprometer o andamento da construção do Sirius”, afirmou o Ministério da Ciência em nota enviada à piauí no fim de junho.

Três dias antes da publicação do decreto que reduziu o orçamento do Ministério, preocupados com os rumores de contingenciamento que se espalhavam por Brasília, os presidentes das duas mais importantes associações de cientistas brasileiros enviaram ao ministro Meirelles um apelo para que não cortasse recursos para a área. Helena Nader, da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (cujo mandato se encerrou no fim de julho), e Luiz Davidovich, da Academia Brasileira de Ciências, argumentaram que o Ministério da Ciência respondia por apenas 0,32% do orçamento global (em 2010 a participação era de 0,58%), e que os cortes prejudicariam o país. “A experiência internacional mostra que os investimentos em ciência e inovação tecnológica produzem retornos muitas vezes superiores aos recursos aplicados, contribuindo para o aumento do pib e o protagonismo internacional do país”, escreveram.

O gesto de Nader e Davidovich anda se banalizando. Desde que Michel Temer assumiu a Presidência, não foram poucas as vezes em que as associações dirigidas por ambos vieram conjuntamente a público protestar contra medidas que reduziam os recursos para a ciência e a tecnologia.

Antes mesmo da posse, Temer provocou calafrios nos cientistas ao aventar o nome do pastor Marcos Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal e adepto do criacionismo, para o Ministério da Ciência. Tirado o bode da sala, veio um novo sobressalto quando o presidente anunciou, no âmbito de sua reforma ministerial, que fundiria a pasta da Ciência, Tecnologia e Inovações com a das Comunicações. Para a comunidade científica o movimento pareceu pouco justificado e sintomático do desdém do governo federal pela área.

Mas esse não foi o ponto baixo da política científica de Temer na avaliação de Luiz Davidovich. O golpe mais duro, para ele, foi a proposta de emenda constitucional aprovada pelo Congresso que limitou o aumento dos gastos públicos nos próximos vinte anos, atrelando-o à inflação – a chamada “PEC do Teto” (ou “do Fim do Mundo”, como os cientistas se referiam a ela, à época). A medida tende a aguçar as disputas por recursos entre diferentes áreas da administração federal. Qualquer aumento significativo no orçamento para a ciência e tecnologia terá necessariamente como contrapartida uma redução de investimentos noutra seara – na educação, saúde ou previdência, por exemplo.Para Davidovich, trata-se de um tiro no pé. “Essa PEC considera que os recursos para a ciência e tecnologia são gastos, e não investimentos.”

O presidente da Academia Brasileira de Ciências recebeu a piauí para uma entrevista na sede da entidade, no Centro do Rio. Seu gabinete é decorado por um quadro que mostra Arquimedes em sua banheira no momento do “Eureka!” e um retrato de Copérnico, nome central da Revolução Científica que teve início no século XVI. Davidovich defendeu que, na história dos países industrializados, os investimentos em ciência e tecnologia tiveram papel fundamental para o desenvolvimento deles.

O caso da Coreia do Sul é emblemático: no espaço de quinze anos entre 2000 e 2014, a fração do pib que o país reserva para investimentos de ciência e tecnologia saltou de 2,19% para 4,29% – proporcionalmente mais que Israel, Japão, Estados Unidos China e União Europeia. A quantidade de publicações dos pesquisadores coreanos dobrou entre 2005 e 2014, e o país é líder mundial em pedidos de patentes.

No fim das contas, disse Davidovich, nem é preciso buscar em países estrangeiros os exemplos que evidenciam o papel da ciência e tecnologia no desenvolvimento econômico. “Johanna Döbereiner, trabalhando na Universidade Federal Rural do Rio, descobriu um processo de fixação de nitrogênio no solo que multiplicou a produtividade da soja em quatro vezes”, lembrou o físico – as pesquisas que a agrônoma conduziu a partir dos anos 60 renderam ao país uma economia anual de mais de 2 bilhões de dólares com adubos nitrogenados, segundo dados da Embrapa, e fizeram do Brasil o segundo maior produtor mundial de soja. “A colaboração de cientistas brasileiros de várias áreas – matemáticos, químicos, biofísicos e muitos outros – resultou no aperfeiçoamento da tecnologia de perfuração de poços de petróleo em águas profundas”, continuou Davidovich. “Não é possível que o pessoal desconheça esses exemplos.”

*

Assinantes podem ler a matéria O acelerador na íntegra.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone