​Invenção do CTBE permite produção de açúcar de mesa a partir da Cana-Energia

Publicado em 23/08/2017
Grupo Cultivar, 22/08/2017

 

Na agricultura, o que interessa é a produtividade por hectare. No setor sucroenergético, boa parte das crises tem como origem a estagnação da produtividade da cana, e em alguns casos o seu decréscimo. Nos últimos anos surgiu um novo produto, a cana-energia, o “petróleo verde”, capaz de duplicar a quantidade de biomassa produzida por hectare.

Essa cana é mais rica em fibra, que é um açúcar insolúvel, e tem menor concentração de sacarose – o açúcar de mesa – no caldo, o que impossibilita a sua separação. Com isso, a cana-energia, embora muito mais produtiva, tinha seu uso limitado a produção de etanol e energia elétrica.

O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE/CNPEM), um dos quatro laboratórios que integram o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), pioneiro em pesquisa e inovação voltada à produção de energia, bioquímicos e biocombustíveis avançados a partir de biomassa, deu um passo decisivo que permitirá a ampla adoção da cana-energia pelo setor possibilitando ao país, em curto prazo, dobrar a produção de energia de biomassa e etanol, sem perder a produção do açúcar, o mais rentável dos produtos, e sem aumento de área plantada.

A invenção, que torna possível a obtenção de açúcar a partir de cana energia, envolveu o desenvolvimento de uma nova levedura que não consome (metaboliza) sacarose e a otimização de um processo para obtenção de açúcar. A patente desta nova invenção foi depositada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) no dia 2 de junho. Grandes empresas do setor já mostram interesse pelo uso da tecnologia.

Números comparativos

Com um hectare plantado de cana convencional, uma fábrica de açúcar produz 8,2 toneladas de açúcar, 1,7 mil litros de etanol (a partir do melaço) e 5,6 MWh de energia elétrica excedente.

Já com um hectare plantado de cana energia, uma fábrica de açúcar produziria 8,1 toneladas de açúcar, 4,6 mil litros de etanol e 20 MWh de energia elétrica excedente.

Considerando uma destilaria autônoma, poderia ser produzido até 6,8 mil litros de etanol e 5,6 MWh por hectare com cana convencional e 9,2 mil litros de etanol e 20 MWh com cana energia.

 

Repercussão: RPAnews; UDOP; Portal do Agronegócio

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone